...
||MOBILE|RSS
RSS
+-TEXTO
AVALIAR

Por Harvard Business Review

PUB
A pergunta do ponto fraco ainda sobrevive em muitas entrevistas de emprego. Não há pior e não favorece ninguém, mas esqueça a sinceridade

A pior pergunta numa entrevista (e como responder)

Entrevista
Cuidado com as entrevistas
D.R.
18/12/2012 | 00:00 | Dinheiro Vivo

A pergunta do ponto fraco ainda sobrevive em muitas entrevistas de emprego. Não há pior e não favorece ninguém, nem quem está a contratar, nem que está a candidatar-se. Só há uma maneira de lidar com ela: tornando-a no ponto mais forte da entrevista. Ah… e esqueça lá isso da sinceridade.

O seguinte pesadelo de entrevista aconteceu quando eu pertencia ao Conselho de Administração de uma pequena organização sem fins lucrativos: Estávamos a entrevistar os finalistas para o cargo de director executivo, e um director perguntou ao último candidato: "Larry, o que considera se o seu maior ponto fraco?" O Larry pensou por um minuto, corou, e depois respondeu: "Bem algumas pessoas com quem trabalhei diriam que eu tenho uma tendência para falar sem parar sem dizer nada, mas eu não concordo. Reconheço que gosto de falar, mas acho que o que digo tem muito significado. Isto é, enquanto estou a falar sem parar, estou na realidade a dizer alguma coisa..." Ele compreendeu que estava a embaraçar-se a si próprio, mas continuou a desfiar o rosário. Nós ficámos horrorizados. Com a sua resposta a esta terrível (mas frequente) pergunta de entrevista, ele provou o seu maior ponto fraco.

Leia mais: Rasteiras nas entrevistas de emprego: os CEO portugueses contam como fazem

Sei o que está a pensar: Como é que a pergunta pode ser assim tão terrível se mostrou que ele não era indicado para o trabalho? Bem, nesta situação, não nos revelou nada de novo sobre o Larry. Já nos tínhamos apercebido do seu estilo particularmente loquaz de comunicar no início da entrevista. Mas esta pergunta faz sempre com que as pessoas se sintam desconfortáveis. Tem origem na abordagem antiquada e aversiva às entrevistas dos anos cinquenta e sessenta, criada para fazer com que os candidatos se sentissem desconfortáveis para avaliar como lidam com a pressão.

A pergunta ainda é sentida como degradante. Quando faz com que um candidato se sinta embaraçado propositadamente, este não o esquecerá, e muito provavelmente nunca recomendará a sua organização a um amigo.
Pela parte que me toca, não acredito na ideia abstracta de "fraquezas" individuais, só em pontos fracos no contexto de culturas empresariais específicas. Por exemplo, alguém que possa parecer fraco ou indeciso numa cultura orientada para a execução poderá encaixar-se perfeitamente numa cultura altamente colaborativa. O que parece um ponto fraco numa cultura poderá ser um ponto forte noutra. É muito mais útil para um entrevistador saber que pontos fortes são necessários para executar o trabalho e determinar se o candidato possui esses pontos fortes.

Alguns entrevistadores ainda estão convencidos do valor da pergunta sobre o ponto fraco, por isso continuam a fazê-la. Como resultado, os candidatos aprenderam a fabricar respostas como, por exemplo, "o maior ponto fraco é eu ser workaholic."

Geralmente, forçar um candidato a arranjar respostas é uma má forma de começar uma relação. E poderá o entrevistador esperar realmente que o candidato o alerte para as suas limitações através desta pergunta — que ele diga algo como "sou preguiçoso e uma nulidade com números"?

Um cliente meu tentou o que eu achei ser uma resposta razoável: "Provavelmente não sou o melhor juiz dos meus pontos fracos, mas tenho a certeza que os meus chefes anteriores o poderão ajudar." E mesmo assim, a resposta do responsável pela contratação não foi agradável.

Embora seja detestável, você terá de estar preparado para esta pergunta — porque mais tarde ou mais cedo algum adepto da mesma irá fazê-la. Em vez de dar uma resposta hesitante e desarticulada no momento, siga estas recomendações:

1 - Prepare uma resposta que seja verdadeira, trivial, curta, e não uma falha. Alguns exemplos:
O meu maior ponto fraco é que a minha rede de contactos profissionais está em São Francisco, mas estou à procura de trabalho em Boston para poder estar perto da minha noiva.

O meu maior ponto fraco é que a minha licenciatura é de uma universidade com uma boa reputação norte, mas que é pouco conhecida no sul.

O meu maior ponto fraco é que embora eu seja muito bom a defender algo em que acredito, não me sinto confortável a falar sobre mim.

2 - Comente a sua resposta com dois ou três amigos ou colegas importantes para se certificar que parece razoável.

3 - Quando a pergunta lhe for feita, acabe a sua resposta fazendo ao entrevistador outra pergunta, para que a atenção seja desviada da sua resposta.

E se preparar uma resposta e ninguém lhe fizer a pergunta, não fique desapontado. Agradeça à sua estrela da sorte, e espere que seja um sinal de que perguntar aos candidatos a um emprego para descreverem abertamente os seus pontos fracos caiu finalmente em desuso.


Obrigar um candidato a arranjar respostas sobre algo desagradável é uma má forma de começar uma relação profissional

Comentar

Se está registado, faça Login

Perdeu a password?Se não tem conta,REGISTE-SE AQUI

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Conheça as Regras de Comunidade e Termos de Uso.

A Carregar...
Opinião&Blogs
João Almeida MoreiraO falso problema do Brasil
Por João Almeida Moreira
03:54
Saída de emergência  Por Joana Petiz
12:25
Abril de Leonardo  Por Sérgio Figueiredo
Slideshows