...
||MOBILE|RSS
RSS
+-TEXTO
AVALIAR
Paula Brito

Por Paula Brito

Saiba mais...

  • Como vai o sector do vinho?
PUB
Manuel Rocha, CEO da Adega de Borba, diz que os vinhos até 2 euros representam 80% do mercado.Futuro passa pelo reforço da exportação

Vinho: aposta é na exportação

Vinho.Para sobreviver é preciso transformar o mercado para exportação
Manuel Rocha, Adega de Borba, e Eusébio
D.R.
04/04/2013 | 12:39 | Dinheiro Vivo

O sector do vinho é um dos mais importantes na economia portuguesa. A crise que o país atravessa levou os produtores a reforçarem a aposta nos mercados externos, estratégia apoiada pela Wines of Portugal, da ViniPortugal.

Assim, segundo dados oficiais (ver aqui todas as estatísticas), 1,6% do valor total das exportações nacionais de bens é assegurado pelo vinho e 66% é a representatividade dos vinhos nacionais na exportação dos produtos "bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres" portugueses. Feitas as contas, o sector dos vinhos totalizou 705 milhões de euros nas exportações em 2012, sendo que 42% é a quota de produção de vinho exportada.

O vinho representa 11% do Valor Acrescentado Bruto (VAB) das Industrias Alimentares e Bebidas. Além de que Portugal ocupa o 10.º lugar no ranking do comércio internacional do vinho e o 12.º posto enquanto país produtor de vinho a nível mundial.

Neste contexto, Manuel Rocha, CEO da Adega de Borba, fala ao Dinheiro Vivo da sua experiência.

Como está o consumo de vinho em Portugal?
Conseguimos crescer, mas é um mix pobre. Há uma migração para produtos mais baratos. Comprar vinho mais barato é cada vez mais o driver. É uma tendência que está para ficar em 2013. O mercado português tem uma quota de mercado de 80% de vinhos até 2 euros.

A exportação é a solução?
A única hipótese de sobreviver é transformar o mercado nacional para exportação. Não é fácil, tanto mais que a imagem de Portugal não aporta valor acrescentado. O consumidor não reconhece Portugal como produtor de vinho. Existe alguma experimentação da parte do consumidor. O vinho mais conhecido é o do Porto, mas por um consumidor envelhecido. E o consumidor mais jovem não conhece o outro vinho. Depois há que enfrentar a Espanha, Itália e França, grandes concorrentes a quem se juntam os mais recentes como a Califórnia, Chile, Argentina, África do Sul, Nova Zelândia e Austrália. Temos uma boa relação preço-qualidade, mas ainda assim exportamos pouco, pois temos grandes dificuldades de penetração. Portugal devia estar a crescer 50% e não 8%.

Sector dos vinhos totalizou 705 milhões de euros nas exportações em 2012, sendo que 42% é a quota de produção de vinho exportada

Tags

Comentar

Se está registado, faça Login

Perdeu a password?Se não tem conta,REGISTE-SE AQUI

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Conheça as Regras de Comunidade e Termos de Uso.

A Carregar...
Slideshows