...
01/10/2014 | 13:13 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Harvard Business Review

PUB
Aos 54 anos, Christiane Amanpour regressou às reportagens no estrangeiro para a ABC e CNN.

"Questiono-me se estou viva por ter um filho"

Christiane Amanpour
D.R.
28/12/2012 | 09:00 |  Dinheiro Vivo

Christiane Amanpour ganhou fama a nível global na década de noventa como correspondente de guerra da CNN e aproveitou isso para trabalhar ao mesmo tempo no programa 60 Minutes da CBS. Este ano, apenas 16 meses após ter conseguido um cobiçado lugar de pivot no programa This Week da ABC, regressou às reportagens no estrangeiro (para a ABC e a CNN) porque "simplesmente não há pessoas suficientes para o fazer".

Como começou no jornalismo?

Numa estação de televisão em Providence. Eles tiveram um ato de fé e contrataram-me, acho que por terem visto uma jovem que levava muito a sério o seu percurso profissional. Eu sabia exatamente o que queria fazer - ser correspondente no estrangeiro - o que atualmente é incomum; muitos licenciados adiam uma decisão e continuam a estudar. Por isso, foi a ambição que mostrei, o sentido de missão e a vontade de fazer qualquer coisa, de ir a qualquer lado. Nenhuma tarefa era demasiado insignificante e quando as coisas se revelavam acima do meu nível de experiência, não me esquivava. Fazia o melhor que podia. Tem mesmo de se fazer todo o tipo de trabalho porque, no final, a nossa credibilidade baseia-se na nossa experiência.

"Liderança também significa cedências, não ir para as negociações com o ego em jogo", diz Amanpour

Opinião&Blogs
Um dia de raiva para a Apple
Por  Ana Rita Guerra
00:12
A escolha   Por  João Almeida Moreira
10:39
04:00
Slideshows