...
17/09/2014 | 20:32 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Teresa Costa

PUB
Pequenos produtores que já se coletaram nas Finanças estão a ser chamados a pagar contribuições sociais

Agricultores "perseguidos" pela Segurança Social

31/01/2014 | 00:00 |  Dinheiro Vivo

Os pequenos agricultores, que desde o ano passado tiveram de declarar o início de atividade nas Finanças, estão a ser chamados pela Segurança Social para pagarem as contribuições mensais, denuncia a CNA.

Associações de agricultura acreditam que o Ministério das Finanças emita hoje um despacho a adiar, de novo, a data limite para os pequenos agricultores declararem o início de atividade, por causa da "confusão" instalada. O que está em causa?

Um agricultor que não venda os seus produtos nem receba ajudas comunitárias não tem de declarar o início de atividade.

Mas, um agricultor que venda, nem que seja 5euro num ano, tem de passar fatura e, portanto, tem de estar coletado. Se faturar mais de 10 mil euros por ano, deixa de estar isento de IVA, tendo de pagar a taxa mínima de 6%.

O maior problema estará nos agricultores que recebem ajudas. O Governo, por imposição do Tribunal de Justiça da União Europeia, quer que todos esses também declarem o início da atividade.

Neste ponto, a Confederação de Agricultores de Portugal quer que o Governo isente dessa obrigatoriedade quem recebe menos de 500euro por ano, que em Portugal são 100 mil pessoas, segundo Luís Mira, secretário-geral da CAP.

Ora, a partir do momento em chega às Finanças uma declaração de início ou alteração de atividade, a Segurança Social entra em campo, e pode começar a pedir o pagamento das contribuições.

Segundo João Dinis, dirigente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), "a Segurança Social está a mandar mensagens a quem se inscreveu nas Finanças para o pagamento da contribuição, num valor médio entre 60 e 70euro por mês", situação que já levou alguns agricultores "a pedirem a anulação do registo nas Finanças".

No entanto, fonte oficial do Ministério da Agricultura assegurou que "o simples ato de um agricultor se coletar não significa que pague mais impostos. Isso depende do rendimento de cada um".

O Orçamento do Estado de 2014 introduziu uma norma na Segurança Social que isenta quem recebe até 1676,88euro por ano. A CAP gostaria que as Finanças adotassem o mesmo princípio.

Associações acreditam que o Governo vai voltar a adiar obrigação de registo fiscal, que termina hoje

Opinião&Blogs
Eleições em modo Kill Bill
Por  João Almeida Moreira
02:28
Quem tem tromba é o elefante   Por  Joana Petiz
23:52
A imigração segundo o Conde de Gouvarinho   Por  Sérgio Figueiredo
00:00
Levantar a cabeça   Por  João Adelino Faria
Slideshows