...
27/11/2014 | 21:45 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Lucília Tiago

PUB
São elegíveis ao sorteio semanal do carro as faturas de todas as compras. Basta que tenham o número de contribuinte do consumidor

Sorteio das faturas com número de contribuinte: veja como vai funcionar

Compras vão aumentar
D.R.
02/01/2014 | 12:34 |  Dinheiro Vivo

Em 2014, a inserção do número de contribuinte na fatura permitirá a qualquer consumidor final habilitar-se a ganhar um carro por semana. O sorteio será feito pela administração fiscal, sendo elegíveis todas as compras e não apenas as faturas dos restaurantes, oficinas e salões de beleza. Saiba como vai funcionar.

Leia também Sorteio: faturas vão começar a dar carros já em março

Quem pode habilitar-se ao sorteio?

Todos os consumidores finais (ou seja contribuintes particulares), desde que peçam para que o seu Número de Identificação Fiscal (NIF) seja inserido na fatura quando esta está a ser emitida. Se o NIF indicado corresponder ao de uma empresa, não será considerada a fatura.

Que faturas são aceites?

Todas. Ou seja, os sorteios que o fisco vai começar a fazer este ano vão premiar os consumidores que peçam fatura com NIF quando fazem qualquer compra, seja na papelaria, no talho, no supermercado, numa loja de roupa, num restaurante ou numa bomba de gasolina por exemplo.

E o benefício fiscal do IRS vai manter-se?

Sim. Tal como já aconteceu em 2013, continuará a ser possível abater ao IRS 15% do IVA de todas as faturas de contas de restaurantes, oficinas de carros e de motos e de salões de beleza (incluindo tratamentos de unhas, cabelos, pele, etc...). Além disso, estas faturas vão também ser numeradas de forma a entrarem no sorteio que a administração fiscal vai colocar no terreno em 2014.

Restaurantes e oficinas dão benefício no IRS e também contam para o sorteio

Opinião&Blogs
O FMI já viu o filme todo
Por  Luís Reis Ribeiro
00:01
O Brasil na esquina do tempo   Por  João Almeida Moreira
00:10
É a Argentina que manda   Por  Tiago Figueiredo Silva
15:24
Fingir que não sabemos   Por  João Adelino Faria