19/12/2014 | 18:11 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Lucília Tiago

PUB
Trabalhadores em mobilidade especial vão poder optar por rescisões amigáveis. Governo leva para reunião com sindicatos valor de referência

Governo avança com regras para rescisões

Hélder Rosalino
Paulo Spranger
23/04/2012 | 19:01 |  Dinheiro Vivo

É uma das propostas que o Governo vai levar para a reunião de sexta-feira com os sindicatos: pela primeira vez, os trabalhadores que estejam em mobilidade especial vão poder optar por uma rescisão amigável.

Diz o diploma: "O trabalhador colocado em mobilidade especial pode requerer a cessação" do contrato. Como compensação terá direito aos salários que receberia se se mantivesse em mobilidade especial até à idade legal da reforma.

Ou seja, um trabalhador que tenha sido colocado na lista de mobilidade da Função Pública pode pedir a antecipação dos montantes a que teria direito. O valor da remuneração mensal (que depois é multiplicado pelo número de meses que faltam) é "o valor da última remuneração antes de ser colocada em mobilidade especial", lê-se na proposta.

O diploma prevê ainda regras gerais para as rescisões por mútuo acordo para os funcionários públicos no ativo, estabelecendo que a compensação a pagar alinhe com o regime em vigor no setor privado desde 1 de novembro de 2011. Ou seja, estabelece que o trabalahdaor receba uma indemnização equivalente a 20 dias de salário por cada ano de serviço, até um máximo de 12 meses.

É uma das propostas que o Governo vai levar para a reunião de sexta-feira com os sindicatos: pela primeira vez, os trabalhadores que estejam em mobilidade especial vão poder optar por uma rescisão amigável.

Opinião&Blogs
Felizes contradições
Por  João Adelino Faria
08:41
Portugal é mexilhão   Por  Pedro Bidarra
00:01
Petrodólares   Por  Ricardo Reis
23:00