...
29/08/2014 | 10:58 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Luís Reis Ribeiro

PUB
Fundo fecha o ciclo. Primeiro, foi a troika, há uma semana, que relançou o debate dos custos salariais. Ontem, Bruxelas reforçou a ideia

FMI: "Infelizmente" Portugal terá de reduzir salários

Diretora do FMI, Christine Lagarde
D.R.
31/05/2012 | 19:32 |  Dinheiro Vivo

O Fundo Monetário Internacional (FMI) junta-se à Comissão Europeia na exigência de uma redução de custos, salários sobretudo, nas economias do euro mais atingidas pela crise e menos competitivas. Os alvos do discurso: Grécia e Portugal. E, em menor grau, Espanha.

Nemat Shafik, subdiretora-geral do FMI, apresentou hoje em Bruxelas aquela que é a visão da instituição para "reavivar o crescimento" nas economias mais atingidas pela crise. É pela competitividade e, como tal, pelo embaratecimento dos custos de produção, designadamente os laborais, de modo a exportar mais.

Depois de ontem Bruxelas ter pedido mais reduções salariais e novas restrições à duração do subsídio de desemprego, o FMI fecha o ciclo quando faltam apenas alguns dias para o final da quarta avaliação da troika a Portugal.

Depois de citar diretamente os casos difíceis de Portugal e Grécia, a vice de Christine Lagarde diz que "infelizmente não há uma bala mágica para dinamizar o crescimento e a criação de emprego". "Os países atingidos pela crise na Europa só serão capazes de revitalizar as suas economias, vendendo mais bens no mercado internacional e criando novos empregos no sector privado".

E depois conclui: "Este desafio é complicado pelas limitações impostas pela zona euro. Num contexto em que a taxa de câmbio não pode ser desvalorizada e em que o aumento da produtividade apenas acontece ao longo do tempo, melhorar a competitividade requer uma redução de custos, incluindo de custos laborais, infelizmente".

A alta dirigente do FMI reconhece que se trata de "um processo extremamente doloroso para os países da zona euro atingidos pela crise". "As pessoas que perdem os seus empregos e vêem as suas pensões cortadas perguntam legitimamente porque razão têm de suportar o fardo".

Mas não há outra solução, no seu entender. "A falta de competitividade foi mais aguda na Grécia e em Portugal do que em Espanha, por exemplo, que gozou de uma crescimento forte das exportações nos anos que precederam a crise económica global. E Itália mantém-se bastante competitiva apesar de também necessitar de reformas.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) junta-se à Comissão Europeia na exigência de uma redução de custos, salários sobretudo, nas economias do euro mais atingidas pela crise e menos competitivas. Os alvos do discurso: Grécia  e Portugal. E, em menor grau, Espanha.

Nemat Shafik, subdiretora-geral do FMI, apresentou hoje em Bruxelas aquela que é a visão da instituição para "reavivar o crescimento" nas economias mais atingidas pela crise. É pela competitividade e, como tal, pelo embaratecimento dos custos de produção, designadamente os laborais, de modo a exportar mais.

Opinião&Blogs
O Brasil do Manchetómetro
Por  João Almeida Moreira
15:57
01:46
Turistas nada acidentais   Por  Sérgio Figueiredo
00:00
Os anjos da saúde   Por  Tiago Figueiredo Silva
Slideshows
Ferguson: a violência...