...
23/10/2014 | 05:25 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por António Perez Metelo

PUB
A medida da TSU revela-se catastrófica em termos eleitorais. Não haverá modulação que lhe valha

A vítima colateral

21/09/2012 | 19:41 |  Dinheiro Vivo

A última sondagem sobre intenções de voto dos portugueses encerra mudanças bruscas no eleitorado e ajuda a interpretar a situação atual. O centro-direita (PSD + CDS/PP) derreteu na fornalha da austeridade: já nem atrai um terço das intenções de voto (31%).

A medida da TSU revela-se catastrófica em termos eleitorais. Não haverá modulação que lhe valha. O princípio de uma transferência permanente de rendimento do trabalho para reduzir custos das empresas é simplesmente repugnante e inaceitável para eleitores de qualquer quadrante político. A quebra em um terço das intenções de voto no PSD (de 36% para 24%) tem, seguramente, a ver com isto.

Acontece que o afundamento à direita só beneficia por inércia o PS (que também recua, marginalmente). Passa agora a exibir os mesmos 31%, que a coligação no poder. A sua proposta de "austeridade inteligente" é coisa que não se sabe bem o que seja, embora surja como algo que não há-de poder ser tão estúpido (politicamente) como aquilo que o Governo nos propõe para 2013.

Fora deste terreno central da governabilidade em Portugal, duas outras realidades se perfilam com dimensão assinalável. Uma, a esquerda que rejeita o programa de estabilização, agrega, agora, um quarto das intenções de voto (PCP, 13% + BE, 11%). A outra, a dos votos brancos e nulos, igualmente com 24%, nunca atingira uma tal dimensão entre nós. Perante uma recessão que agora se prevê estendida por inéditos 3 anos, com a vida a andar sempre para trás, há cada vez mais cidadãos em desespero a recusar a via do acordo de assistência com o trio UE/BCE/FMI e, com ela, a crença no potencial regenerador da democracia representativa através do voto.

Falta uma clara alternativa à esquerda, capaz de gerar estímulo ao investimento produtivo e ao emprego, à poupança das famílias e à frugalidade e eficiência dos serviços públicos. Sem ela, o que temos surge como insuportável. E uma parte robusta dos que colocaram esta maioria e, por extensão, este Governo no poder com o seu voto acabam por questionar-se se ainda valerá a pena tentar mudar o estado a que isto chegou, confiando numa outra força política. A fé na democracia é a mais preciosa vítima colateral desta interminável recessão.

Opinião&Blogs
Obrigado, Governo
Por  Luís Reis Ribeiro
14:01
De pernas para o ar   Por  António Perez Metelo
09:58
A melodia da desconstrução   Por  João Almeida Moreira
12:44
Slideshows