...
23/11/2014 | 04:28 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Harvard Business Review

PUB
É importante ajudá-lo a ver que o seu comportamento poderá limitar a sua carreira

O problema de trabalhar com pessoas perfecionistas

Encontre o lugar certo
D.R.
30/04/2012 | 02:10 |  Dinheiro Vivo

Tem um perfecionista na sua equipa? As boas notícias são que o seu subordinado direto tem padrões elevados e uma atenção como poucos para os detalhes. As más notícias são que ele se fixa em todas as facetas de um projeto e não consegue definir prioridades. Poderá aproveitar estas qualidades positivas sem favorecer as más? Poderá ajudá-lo a tornar-se menos rigoroso? Sim e sim. Gerir um perfecionista poderá ser difícil mas não é impossível. E se for bem feito, ambos beneficiarão.

O que dizem os Especialistas

Muitas pessoas afirmam ser perfecionistas porque acham que isso lhes fica bem. Mas o verdadeiro perfecionismo é mais uma falha do que um bem. "Todas as pessoas são perfecionistas até certo ponto. É quando isso se torna uma obsessão que é um problema," diz Robert Steven Kaplan, Professor de Prática de Gestão na Harvard Business School e autor de What to Ask the Person in the Mirror: Critical Questions for Becoming a More Effective Leader and Reaching Your Potential. Em muitos casos, este comportamento compulsivo pode ser a pedra no sapato de um funcionário excelente. "Acham que são pessoas fabulosas mas também acho que estão descontroladas," diz Thomas J. DeLong, Professor de Prática de Gestão na cátedra Philip J. Stomberg da Harvard Business School e autor de Flying Without a Net. Supervisionar um purista requer paciência e uma abordagem única. Veja abaixo várias táticas para tirar o máximo partido do seu enfadonho membro de equipa.

Colocar um perfecionista num cargo que seja excessivamente complexo ou que exija gerir pessoas é um erro

Opinião&Blogs
É a Argentina que manda
Por  Tiago Figueiredo Silva
15:24
Fingir que não sabemos   Por  João Adelino Faria
13:10
Foi meu aluno   Por  Ricardo Reis
10:36
O povo gosta mesmo de arroz   Por  Pedro Bidarra