...
18/09/2014 | 10:37 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Dinheiro Vivo /Lusa

PUB
Comissão de acompanhamento terá três membro nomeado pelo primeiro-ministro e propostos pela ministra das Finanças

Finanças determinam preço das ações dos CTT e podem suspender operação

Trabalhadores poderão comprar até 5%
Gonçalo Villaverde
11/10/2013 | 18:46 |  Dinheiro Vivo

A ministra das Finanças vai determinar o preço unitário das ações dos CTT, cuja privatização implica a dispersão em bolsa de 70% do capital, e tem o poder de cancelar ou suspender a operação invocando o interesse público.

De acordo com uma resolução hoje publicada em Diário da República, "o preço por ação é fixado por despacho da ministra de Estado e das Finanças ou, em caso de subdelegação, por despacho do secretário de Estado das Finanças, dentro do intervalo de preços fixado por Resolução do Conselho de Ministros".

Além disso, cabe também à ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, "cancelar ou suspender a OPV [oferta pública de venda] e a venda direta institucional, mediante despacho, se razões de relevante interesse público o aconselharem".

Leia também: Microsoft deslocaliza serviços de apoio ao cliente e leva a 120 despedimentos em Portugal

O Conselho de Ministros aprovou na quinta-feira as condições da Oferta Pública de Venda (OPV) e o caderno de encargos da venda direta institucional dos CTT - Correios de Portugal.

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, a Parpública fica autorizada a alienar um número de ações representativas de uma percentagem de "até 70% do capital social" dos CTT.

Esta venda será feita através de OPV no mercado nacional e "venda direta a um conjunto de instituições financeiras, que ficam obrigadas a proceder à subsequente dispersão das ações nos mercados de capitais". Do conjunto de ações destinado à OPV, um lote representativo de até 5% do capital será reservado à aquisição por trabalhadores.

Leia também: Boeing muda estratégia de vendas depois de perder 9500 milhões para a Airbus

Na resolução hoje publicada em Diário da República, lê-se ainda que, concluída esta primeira fase da privatização dos CTT, "o Governo mantém o objetivo de, oportunamente, alienar a participação remanescente no capital social" da empresa, "encetando para o efeito um novo processo de alienação ao abrigo do regime legal aplicável".

Além disso, foi publicada uma outra resolução, que estabelece as comissões especiais de acompanhamento dos processos de reprivatização, cuja incumbência é "apoiar tecnicamente o processo de reprivatização e garantir a cabal observância dos princípios da transparência, do rigor, da isenção, da imparcialidade e da melhor defesa do interesse público".

Privatização dos CTT implicará dispersão em bolsa de até 70%. Finanças podem cancelar operação alegando interesse público

Opinião&Blogs
Eleições em modo Kill Bill
Por  João Almeida Moreira
02:28
Quem tem tromba é o elefante   Por  Joana Petiz
23:52
A imigração segundo o Conde de Gouvarinho   Por  Sérgio Figueiredo
00:00
Levantar a cabeça   Por  João Adelino Faria
Slideshows