...
26/11/2014 | 00:10 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Virgínia Alves

PUB
O equipamento lançado pela Loja Indústria permite poupar cerca de 13% da energia, o dobro do que conseguem os equipamentos actuais

Loja Indústria lança equipamento para poupar energia

13/10/2011 | 15:22 |  Dinheiro Vivo

A Loja Indústria lançou um equipamento que permite poupar cerca de 13% da energia. Trata-se de um equipamento que, aplicado às caldeiras industriais de vapor ou água quente, permite obter uma poupança na ordem dos 13%.

Embora o conceito não seja novo, "este economizador de fumos, vem revolucionar o mercado uma vez que a rentabilidade verificada em sistemas semelhantes ascendia apenas a pouco mais de 6%, ou seja, com o novo equipamento, será possível poupar quase o dobro do que era praticável até agora", adianta a empresa.

Este economizador utiliza materiais novos e apresenta um desenho diferente, permitindo retirar o máximo de temperatura dos gases que são lançados para a atmosfera, "conseguindo assim baixar a temperatura média dos gases de escape".

Ao manter as temperaturas de água de alimentação elevadas permite ao sistema uma economia significativa. Dependendo dos gastos anuais no consumo de energia, o retorno do investimento no equipamento pode acontecer no espaço de seis a dezoito meses.

A Loja Indústria lançou um equipamento que permite poupar cerca de 13% da energia. Trata-se de um equipamento que, aplicado às caldeiras industriais de vapor ou água quente, permite obter uma poupança na ordem dos 13%.

Embora o conceito não seja novo, "este economizador de fumos, vem revolucionar o mercado uma vez que a rentabilidade verificada em sistemas semelhantes ascendia apenas a pouco mais de 6%, ou seja, com o novo equipamento, será possível poupar quase o dobro do que era praticável até agora", adianta a empresa.

 

Opinião&Blogs
O Brasil na esquina do tempo
Por  João Almeida Moreira
00:10
É a Argentina que manda   Por  Tiago Figueiredo Silva
15:24
Fingir que não sabemos   Por  João Adelino Faria
13:10
Foi meu aluno   Por  Ricardo Reis