...
23/10/2014 | 04:45 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Ana Isabel Ribeiro

PUB
Há cada vez mais gente disposta a arriscar por pouco dinheiro: nas pequenas fraudes, o número de casos detetados disparou 582%

Falsos acidentes triplicaram em cinco anos

Acidente automóvel no top das fraudes
D.R.
25/05/2012 | 23:00 |  Dinheiro Vivo

Alguém lhe bate no automóvel e danifica o para-choque, mas quando vai reclamar à seguradora tenta ser indemnizado por outros danos que o carro já tinha antes do acidente.

Tem um eletrodoméstico avariado há semanas, mas uma inundação que entretanto ocorreu em casa dá-lhe argumentos para tentar incluir os custos da reparação da televisão no seguro. Ou então aproveita uma trovoada como argumento para acionar o seguro multi-risco que cobre o risco elétrico em caso de descargas elétricas anormais.

É um trabalhador por conta própria e magoa-se a jogar futebol com o seu filho, mas diz que a lesão aconteceu no trabalho e aciona o seguro por acidentes de trabalho. Trabalha numa empresa que sente dificuldades económicas e combina com o seu patrão que vão acionar um seguro por acidente ou lesão de modo a "poupar" o seu salário à empresa, garantindo que continua a receber rendimento.

Estes são alguns exemplos de fraudes no setor dos seguros cuja incidência têm vindo a aumentar de forma muito significativa, sobretudo com o agravamento da crise financeira e económica.

Não existem dados oficiais sobre a dimensão do fenómeno em Portugal, mas um estudo realizado pela seguradora Liberty a partir da sua atividade nacional revela que a fraude duplicou em cinco anos, passando de 1% dos sinistros totais em 2007 para 2% em 2012.

O ramo automóvel será um dos mais vulneráveis a este fenómeno. Comparando os resultados dos anos de 2007 e 2011, por exemplo, nos sinistros auto houve um aumento de 112% das fraudes detetadas.

Será isto apenas o resultado da crise? "Parece não haver dúvidas que a crise em que Portugal "mergulhou" tem os seus reflexos não só económicos mas também sociais. A fraude aos seguros não ficou imune aos efeitos desta crise e verificamos que houve sem dúvida um aumento do número de fraudes detetadas, em todos os ramos", responde Alda Correia da Unidade Especial de Investigação da Liberty Seguros.

Ainda mais expressiva é a subida de 240% na deteção de fraude nos seguros multirrisco para habitação e comércio que garantem o risco elétrico. Estes números refletem um procedimento mais rigoroso da seguradora na análise dos processos, "mas também ao impacto da crise no dia a dia das pessoas".

A crise económica é a principal razão apontada para este forte crescimento das práticas fraudulentas nos seguros

Opinião&Blogs
Obrigado, Governo
Por  Luís Reis Ribeiro
14:01
De pernas para o ar   Por  António Perez Metelo
09:58
A melodia da desconstrução   Por  João Almeida Moreira
12:44
Slideshows