...
01/09/2014 | 21:55 | MOBILE | RSS
+-TEXTO

Por Dinheiro Vivo | Lusa

PUB
Governo estuda limitar as pensões pagas pelo Estado e dar liberdade de descontos, num sistema misto público-privado

Idade de reforma não aumenta mas pode passar a sistema misto

Pedro Mota Soares
D.R.
14/04/2012 | 14:03 |  Dinheiro Vivo

O ministro da Solidariedade, Luís Pedro Mota Soares, negou hoje que esteja a ser estudado o aumento da idade da reforma, mas admitiu que o futuro da Segurança Social pode passar por um sistema misto público/privado.

Mota Soares frisou que os estudos que estão a ser feitos "não passam pelo aumento da idade da reforma" mas que seguem um caminho diferente.

A edição de hoje do jornal Expresso referia que, em cima da mesa, está a possibilidade de no sector privado aumentarem as idades mínimas e máximas da reforma para os 57 e 67 anos.

O ministro adiantou que o Governo quer introduzir um limite máximo nas pensões pagas pelo Estado e mudanças que garantam uma base pública do sistema de Segurança Social mas também dê liberdade de escolha às novas gerações.

Pedro Mota Soares, que falava após a inauguração do Centro Social de Penude, em Lamego, referiu que o Governo está a proceder a um conjunto de estudos para lançar, ainda este ano, uma discussão sobre a sustentabilidade e a reforma da Segurança Social.

"É importante podermos introduzir mudanças que garantam uma base pública do sistema de Segurança Social, que a base essencial seja pública, mas que ao mesmo tempo seja dada liberdade de escolha, nomeadamente às novas gerações", salientou.

Liberdade de, disse o ministro, poder descontar-se para o sistema público ou para outros sistemas como mutualistas ou privados.

E isso, para Pedro Mota Soares, quer dizer "introduzir limites nas contribuições mas, acima de tudo, introduzir limites nas pensões que são pagas pelo Estado".

"É essencial que a base do sistema seja pública, mas quando falamos de pensões muito elevadas, aí verdadeiramente já não estamos a falar de equidade social, já estamos a falar de gestão de poupanças e essa porventura não deve ser feita pelo Estado", salientou.

O ministro lembrou as medidas as medidas já lançadas pelo Governo, que vão no caminho de moralizar as prestações sociais, como o exemplo do Rendimento Social de Inserção (RSI).

Segundo Mota Soares, tem havido um aumento significativo do tempo médio de permanência no RSI, que, em 2005, era de 15 meses e aumentou para os 32 meses em 2011.

O ministro Pedro Mota Soares quer que pensões pagas pelo Estado sejam limitadas e que gerações futuras possam escolher descontos

Opinião&Blogs
O BES Angola é banco bom ou banco mau?
Por  Ricardo Reis
00:00
Suicídio   Por  João Adelino Faria
00:00
A chamada das euforias   Por  Tiago Figueiredo Silva
00:00
Quando o nevoeiro passar   Por  Joana Petiz
Slideshows