06/07/2015 | 16:38 | MOBILE | RSS | NEWSLETTER
RSS
+-TEXTO

Por Tony Golsby-Smith

PUB
Harvard Business Review

Quer inovação? Contrate alguém de humanidades

Pessoas de Humanidades têm visão ampla
Luísa Sousa
08/06/2011 | 01:08 |  Dinheiro Vivo

Quantas pessoas na sua organização são pensadores inovadores que podem ajudar nos seus problemas de estratégia mais espinhosos? Quantos possuem uma compreensão interessada das necessidades dos clientes? Quantos sabem o que é preciso para assegurar que os funcionários se envolvam no trabalho?

Se a resposta for "não muitos", bem-vindo ao clube! Os líderes empresariais em todo o mundo têm-me dito que desesperam por encontrar pessoas que os possam ajudar a resolver problemas complicados - ou mesmo por fazê-las pensar no assunto. Não é que as empresas não tenham pessoas inteligentes a trabalhar para elas. Existem muitos MBA e até doutorados em economia, química ou ciências informáticas nos quadros das empresas. Não falta potencial intelectual. O potencial indicado é que é difícil de encontrar. Simplesmente não há um número suficiente de pessoas com os conhecimentos certos.

Isto acontece porque os nossos sistemas educativos se centram em ensinar os alunos de ciências e de gestão a controlar, prever, verificar, garantir e testar dados. Não ensinam como navegar nas questões "e se..." ou em futuros desconhecidos. Como Amos Shapira, o CEO da Cellcom, a operadora de rede móvel líder em Israel, afirmou: "O conhecimento que eu uso como CEO pode ser adquirido em duas semanas ... A principal coisa que se deve ensinar a um estudante é como deve estudar e analisar as coisas (incluindo) história e filosofia."

Um erro de julgamento pode acabar num desastre como o derrame de petróleo da BP em 2010. As pessoas de humanidades antecipam estas situações

Opinião&Blogs
Um semestre a brilhar
Por  Tiago Figueiredo Silva
00:01
Sair do euro?   Por  Ricardo Reis
00:01
Gregos e troianos   Por  João Adelino Faria
00:01
Vamos ser mais gratos?   Por  Edson Athayde
Slideshows
20 cocktails para matar...