...
17/09/2014 | 02:27 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Nuno Aguiar

PUB
Depois de patrocínios, anúncios, videoclips e programas de televisão, Paulo Futre continuava a ter preferido ganhar as eleições do Sporting

Futre, um ano depois do chinês: "Eu teria continuado com o Domingos"

Futre apresenta programa à terça-feira
Pedro Aperta
27/03/2012 | 13:50 |  Dinheiro Vivo

Um ano depois do famoso discurso do chinês e da derrota nas eleições para a presidência do Sporting, a vida de Paulo Futre deu mais voltas do que os cinco alemães que fintou em dez segundos na final da Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1987. Perdeu as eleições, mas ganhou uma nova vida. Numa entrevista por telefone ao Dinheiro Vivo confessa que teria mantido Domingos como treinador, mas que Sá Pinto foi a melhor escolha. Quanto ao chinês... Por favor, não lhe falem do Corinthians.

Olá Paulo. Tudo bem?

Sim, sim. Espera só um bocadinho. [atende outro telemóvel] Nuno, sim diz-me.

Num ano, a tua vida deu uma volta enorm...

Espera aí, espera aí! [novamente o telemóvel] Sim, agora já está.

Estava a dizer que, um ano depois das eleições e do discurso que criou esta explosão mediática, a tua vida mudou radicalmente. Sentes que entre todos os envolvidos acabaste por ser quem mais ganhou?

Quer dizer, não ganhei, porque perdi. Era um projeto incrível regressar ao Sporting 27 anos depois. Foi o meu pai e mãe para o futebol. Tenho outros clubes no coração, mas foi ali que comecei.

Mas não se pode dizer que a vida te esteja a correr mal.

Sem dúvida. Surgiram imensas coisas de que não estava à espera e tenho-me divertido bastante. Pá, agora até tenho um programa de televisão! Tive um ano diferente do que esperava, mas nada me caiu do céu. Tenho gerido bem as coisas. Mas queria ter ganho...

A história do chinês acabou por dar frutos.

Quis fazer ruído. O Governo tinha acabado de se demitir e eu pensei em falar no chinês que, claro, já tinha discutido com o Dias Ferreira.

Em fevereiro, o Corinthians contratou o chinês Chen Zhizhao claramente por motivos extra-futebol. Sentes-te vingado em relação a quem troçou dessa estratégia de marketing?

Que idade é que tens, Nuno?

24.

Epá, é que para falar do chinês temos de falar de 1998. Lembras-te do Nakata?

Sim, o japonês.

Pronto, tem de se falar de 1998, quando o [Hidetoshi] Nakata veio para o Perugia. Há muito tempo que há jogadores asiáticos a circular pela Europa. O Park [Ji-Sung] já cá anda com sucesso há muitos anos. No Mónaco, vêm asiáticos de charters para depois irem tirar fotografias a [o Circuito de] Monte Carlo. O problema é que nunca se fez isso em Portugal. Se ganhasse, trazia o chinês, mas se perdesse eu sabia que tinha defesa.

Paulo Futre não afasta a possibilidade de voltar a tentar regressar ao Sporting

Opinião&Blogs
Quem tem tromba é o elefante
Por  Joana Petiz
23:52
A imigração segundo o Conde de Gouvarinho   Por  Sérgio Figueiredo
00:00
Levantar a cabeça   Por  João Adelino Faria
00:00
O nosso comissário europeu   Por  Ricardo Reis
Slideshows