...
01/08/2014 | 12:51 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Tiago Figueiredo Silva

PUB
Subida das ações originou a valorização das participações das sete maiores fortunas em Portugal. Soares dos Santos foi quem mais ganhou

As grandes fortunas engordaram mais 1,54 mil milhões em 2012

Américo Amorim detém a maior fortuna
D.R.
05/01/2013 | 01:17 |  Dinheiro Vivo

Os ricos ficaram ainda mais ricos no ano passado. Se as 100 maiores fortunas do mundo aumentaram 15% para os 1,44 biliões de euros, de acordo com o índice dos milionários da Bloomberg, a riqueza das maiores fortunas em Portugal também cresceu em 2012. Mais concretamente 13%, o equivalente a um crescimento de 1,54 mil milhões de euros. O Dinheiro Vivo compilou as participações acionistas detidas pelos sete maiores empresários nas cotadas portuguesas e fez as contas com base nas respetivas cotações. De notar que se tratam de potenciais mais e menos-valias, uma vez que os títulos não foram vendidos e encontravam-se em carteira.

Contas feitas, no início de 2011 as sete maiores fortunas em Portugal estavam avaliadas em 11,61 mil milhões de euros. No entanto, a subida anual de 3% do PSI 20 e a consequente valorização da maior parte das 20 ações que integram o índice nacional fizeram com que, no final de 2012, as mesmas fortunas valessem 13,15 mil milhões. Na prática, as grandes fortunas em Portugal engordaram 1,54 mil milhões de euros no espaço de um ano.

A riqueza da família Soares dos Santos foi a que mais cresceu no ano passado. Fruto da valorização de 16% dos títulos da Jerónimo Martins, a posição detida pela sociedade Francisco Manuel dos Santos, que reúne as participações da família de Alexandre Soares dos Santos, valorizou em quase 714 milhões de euros.

O segundo lugar do pódio é ocupado por Belmiro de Azevedo. Os ganhos de 50% e de 22% acumulados no ano passado pela Sonae e pela Sonaecom, respetivamente, mais do que compensaram as perdas arrecadadas de 23% pela Sonae Indústria, possibilitando que a fortuna de Belmiro aumentasse em 293 milhões de euros.

Outra das grandes fortunas do país que também cresceu no ano passado foi a da família Queiroz Pereira. A valorização quer das ações da Portucel quer dos títulos da Semapa fez com que as aplicações em bolsa nestas duas empresas cotadas valorizasse em 275 milhões de euros num ano.

A subida das ações em 2012 originou a valorização das posições acionistas. Américo Amorim continua a ter a maior fortuna

Opinião&Blogs
A vida social de Vítor Bento
Por  Sílvia de Oliveira
00:00
A América é que ganhou a Copa   Por  João Almeida Moreira
00:00
Esta apanhou-me na curva   Por  Ana Rita Guerra
00:00
O risco da improbabilidade   Por  Sílvia de Oliveira