...
23/08/2014 | 06:31 | MOBILE | RSS
RSS
+-TEXTO

Por Ana Baptista

PUB
Aumento da procura e limitações ao crédito fazem disparar o número de casas no mercado. Lisboa e Porto registam subidas significativas

Sem crédito: número de casas para arrendar sobe 31%

Saiba quanto vai pagar se mora no Porto
D.R.
18/08/2011 | 08:49 |  Dinheiro Vivo

O aumento da procura de arrendamento está a alterar o mercado da habitação em Portugal. Em apenas um ano, entre Junho de 2010 e Junho de 2011, o número de casas para arrendar em Portugal cresceu 31%, passando de 11.882 para 15.563 casas.

Segundo dados do barómetro Casa Sapo, em Junho registavam-se no portal 13.263 apartamentos exclusivamente para arrendamento, mais 33% em relação a Junho de 2010 (9.991), e ainda 2.302 moradias, mais 22% que em Junho de 2010 (1.891).

Analisando apenas os dados para Lisboa e Porto, na capital contavam-se, em Junho, 17.295 casas para arrendamento, e no Porto, 4.707, contudo, estas não estão em regime de exclusividade, ou seja, não estão apenas para arrendar. Podem estar para arredamento com opção de compra ou para venda ou arrendamento, consoante a negociação entre vendedor e comprador.

Este crescimento da oferta está directamente relacionado com o aumento da procura. "Comparativamente com o primeiro semestre de 2010, o mercado de arrendamento está mais dinâmico e verificámos um aumento das transacções, que se deve ao facto de os bancos serem cada vez mais rigorosos e exigentes na concessão de crédito", disse ao Dinheiro Vivo, o director-geral da ERA em Portugal, Miguel Poisson.

Contudo, para este responsável ainda é cedo para dizer que existe um mercado de arrendamento real. "Diria que o arrendamento aumentou somente porque o crédito à habitação se tornou mais difícil de obter" e por isso, "não tem ainda expressão no contexto do mercado imobiliário português".

"Comprar casa continua a ser a opção mais procurada pelos clientes que entram nas agências da rede ERA e o arrendamento continua a ser a solução de recurso quando a compra não é possível por falta de financiamento", repara.

Além disso, diz Miguel Poisson, "no nosso mercado existe um défice de oferta de arrendamento face à procura existente, o que obviamente faz com os preços praticados e exigidos pelos proprietários sejam altos e pouco convidativos para a bolsa dos portugueses".

De facto,de acordo com os dados do barómetro Casa Sapo, e tendo em conta que em Junho havia 403.920 imóveis no portal, as casas para arrendar ainda só representam 4% do total.

Em Portugal, uma renda média fica em 561,47 euros. Já em Lisboa, as rendas médias são de 676,41 euros e no Porto são de 462,29 euros

Tags
Opinião&Blogs
Os anjos da saúde
Por  Tiago Figueiredo Silva
00:00
A taxa belo Porto   Por  Ricardo Reis
00:00
O caminho das estrelas   Por  João Adelino Faria
00:00
À boleia dos tuk-tuks   Por  Joana Petiz
Slideshows
Ferguson: a violência...