África

Nyusi quer construir aterros de gestão de resíduos sólidos pelo país

Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique (REUTERS/Siphiwe Sibeko)
Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique (REUTERS/Siphiwe Sibeko)

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou hoje uma iniciativa para construção de aterros de gestão de resíduos sólidos em todas as 10 províncias do país e na capital, para melhoria da qualidade do ambiente.

“O Governo, através do Ministério da Terra e Ambiente, irá desenvolver a iniciativa presidencial de construção de aterros controlados de gestão de resíduos sólidos, sendo nesta primeira fase um aterro por cada província”, anunciou Filipe Nyusi.

O chefe de Estado moçambicano falava a partir de Niassa, no norte do país, no âmbito da visita presidencial àquela província.

Filipe Nyusi disse ainda que a iniciativa “é insignificante dada a vastidão de cada província de Moçambique”, mas, segundo o Presidente moçambicano, ainda assim, o objetivo é “reduzir a deposição desregrada dos resíduos sólidos no território”.

“É pouco, mas nós estamos para começar. Queremos aterros cientificamente aprovados”, destacou.

O episódio mais recente sobre a má conservação de resíduos sólidos no país ocorreu em fevereiro de 2018, quando uma parte da maior lixeira da capital moçambicana, Maputo, com a altura de um edifício de três andares, desabou devido à chuva forte e abateu-se sobre diversas habitações precárias do bairro em redor.

Dezasseis pessoas morreram no local, Hulene, das quais sete eram crianças.

Em 2018, o Governo moçambicano anunciou que a lixeira de Hulene seria encerrada, numa operação estimada em 110 milhões de dólares (93 milhões de euros, ao câmbio atual).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, intervém durante a cerimónia de assinatura de declaração de compromisso de parceria para Reforço Excecional dos Serviços Sociais e de Saúde e lançamento do programa PARES 3.0, no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa, 19 de agosto de 2020. ANDRÉ KOSTERS/LUSA

“Na próxima semana podemos chegar aos 1000 casos por dia”, avisa Costa

Fachada da Caixa Geral de Depósitos. 
(Sarah Costa / Global Imagens)

Clientes da CGD sem acesso ao serviço Caixadirecta

App Stayaway covid

App Stayaway Covid perto do milhão de downloads. 46 infetados enviaram alertas

Nyusi quer construir aterros de gestão de resíduos sólidos pelo país