Angola

FMI em Angola não vai afetar impostos, emprego ou combustíveis

Diretora do FMI, Christine Lagarde. REUTERS/Charles Platiau
Diretora do FMI, Christine Lagarde. REUTERS/Charles Platiau

A diretora-geral do FMI está em Luanda numa visita oficial e garantiu que, para já, a ajuda internacional não vai interferir nestas áreas.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou esta quinta-feira, em Luanda, que o programa de assistência a Angola, para já, não vai aumentar os impostos, os despedimentos na função pública nem o preço dos combustíveis.

Christine Lagarde falava aos jornalistas depois de ter sido recebida em audiência pelo Presidente de Angola, João Lourenço, primeiro ato oficial de uma visita de dois dias a Luanda.

“O FMI de hoje não é o FMI do passado, pois aprendemos com os erros e defendemos políticas amigas do crescimento”, sublinhou Lagarde, ladeada por João Lourenço.

Por seu lado, João Lourenço salientou que a primeira tranche dos 3,7 mil milhões de dólares atribuídos pelo Conselho de Administração do FMI, no valor de mil milhões de dólares, já foi disponibilizada pela instituição de Bretton Woods.

O Presidente angolano ressalvou que as condições do financiamento do FMI “não têm qualquer comparação” com outros empréstimos da instituição a países africanos, “que têm sempre condições mais gravosas que Angola”.

“Eu confirmo”, disse imediatamente Lagarde, provocando risos entre os membros da delegação do FMI e da equipa governamental presentes nos jardins do Palácio Presidência.

A semana passada, a agência de rating Moody’s considerou que este acordo será positivo para a qualidade do crédito porque equilibra a posição externa, consolida as finanças públicas e acelera as reformas estruturais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
FMI em Angola não vai afetar impostos, emprego ou combustíveis