Petróleo

Petróleo: Angola quer produção acima dos 1,4 milhões de barris por dia até 2022

Fotografia: REUTERS/Ernest Scheyder
Fotografia: REUTERS/Ernest Scheyder

Em setembro, Angola atingiu uma produção diária de 1,519 milhões de barris de crude, face aos 1,462 milhões do mês anterior.

O ministro dos Recursos Naturais e Petróleos angolano afirmou esta terça-feira que o Governo pretende para manter a produção de petróleo acima de 1,4 milhões de barris/dia até ao final da legislatura, em 2022.

Diamantino Azevedo, que falava esta terça-feira, no Sumbe, província do Cuanza Sul, nas Primeiras Jornadas Científicas e Técnicas sobre a Metodologia da Classificação e Cálculos dos Recursos Minerais Sólidos e Hidrocarbonetos, lembrou, citado pela agência angolana Angop, que o Governo aprovou cinco novas leis para reverter a tendência de declínio da produção e fomentar a prospeção e exploração de alguns depósitos já descobertos, bem como a simplificação nos procedimentos administrativo para facilitar os investimentos.

Assegurando que existem algumas descobertas de gás não associado ao petróleo, o ministro angolano salientou a necessidade do desenvolvimento dos campos petrolíferos, uma vez que já existe uma legislação específica que torna seguros os investimentos feitos na pesquisa e exploração.

A 15 deste mês, a agência Lusa noticiou, com base em dados do relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que a produção petrolífera angolana cresceu em setembro o equivalente a 57.000 barris diários face a agosto, mantendo-se como segundo maior produtor africano, atrás da Nigéria.

Em setembro, Angola atingiu uma produção diária de 1,519 milhões de barris de crude, face aos 1,462 milhões do mês anterior (valor revisto em alta face aos primeiros dados), com dados baseados em fontes secundárias da organização.

A Nigéria, líder africana na produção de crude, viu crescer a sua produção diária em 26.000 barris de crude, alcançando os 1,748 milhões de barris por dia em setembro.

Durante praticamente todo o ano de 2016 e até maio de 2017, Angola liderou a produção de petróleo em África, posição que perdeu desde então para a Nigéria.

A produção naquele país foi condicionada entre 2015 e 2016 por ataques terroristas, grupos armados e instabilidade política interna.

O acordo entre os países produtores de petróleo para reduzir a produção e fazer aumentar o preço do barril obrigou Angola a cortar 78.000 barris de crude por dia com efeitos desde 01 de janeiro de 2017, para um limite de 1,673 milhões de barris diários.

Um acordo que Angola terá ‘furado’ em outubro do ano passado, ao produzir 1,689 milhões de barris por dia, segundo os dados da OPEP com base em fontes secundárias.

O último relatório da OPEP refere também que, em termos de “comunicações diretas” à organização, Angola terá produzido 1,489 milhões de barris de petróleo por dia em setembro.

Os números apresentados pela OPEP contrariam assim as “comunicações diretas”, que apontam para um crescimento da produção de Angola de apenas 8.000 barris diários, face a agosto.

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.

Em menos de dois anos, o país viu o preço do barril exportado passar de mais de 100 dólares para vendas médias, no primeiro semestre de 2016, de 36 dólares por barril, segundo dados do Ministério das Finanças de Angola.

Esta terça-feira, na reunião realizada no Sumbe, e em relação ao subsetor mineiro, Diamantino Azevedo realçou que Angola é um país onde existe uma exploração diamantífera significativa, destacando a necessidade de também se organizar o setor.

“Queremos que grande parte desta produção seja lapidada e polida no país, o que requer mais investimentos”, frisou, defendendo a formação contínua de quadros.

Nas jornadas, com a duração de cinco dias, os participantes vão abordar temas como “Metodologias da Classificação e Cálculo de Reservas dos Recursos Minerais Sólidos”, “Os Fatores Modificadores e as Reservas Minerais”, “Métodos Deterministas para Estimativas de Recursos e Reservas Minerais” e “Modelagem Preliminar de Recursos Minerais”.

Participam no encontro quadros do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, Endiama e Ferrangol.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Petróleo: Angola quer produção acima dos 1,4 milhões de barris por dia até 2022