Angola

UE estende por mais dois anos o apoio ao comércio em Angola

União Europeia
União Europeia

O apoio no valor de 12 milhões, quer ajudar o país a acelerar a atividade comercial e incentivar o investimento das pequenas e médias empresas.

A União Europeia (UE) decidiu esta quarta-feira prolongar por mais dois anos o Projeto de Apoio ao Comércio (PAC) para ajudar Angola a acelerar a atividade comercial e incentivar o investimento das pequenas e médias empresas angolanas.

O anúncio foi feito pelo embaixador da UE em Angola, Tomas Ulicny, no final de uma reunião de concertação entre os diplomatas da União Europeia acreditados em Luanda e o Ministério do Comércio angolano, que adiantou que o objetivo é reforçar a capacidade comercial do país.

Em curso desde 2016, o projeto, no valor de 12 milhões de euros, terminaria em 2019, mas Bruxelas decidiu estendê-lo até 2021, permitindo apoiar sobretudo a atividade comercial do setor privado e a capacitação de quadros do Ministério do Comércio angolano.

Tomas Ulicny afirmou que a UE está a preparar um novo programa de apoio financeiro denominado “Cadeias de Valor”, que servirá para mobilizar a produção dos pequenos produtores agrícolas.

Por outro lado, encorajou o Governo angolano a dar “passos significativos” na melhoria do ambiente de negócio no país, para poder atrair investimento estrangeiro, com vista à atração do investimento estrangeiro e à aceleração da produção nacional, para o que há a disponibilidade da UE.

Por seu lado, o ministro do Comércio angolano, Jofre Van-Dúnem Júnior, considerou o encontro “proveitoso”, por permitir “interagir sobre assuntos de interesse comuns”, como os acordos regionais e a atração do investimento privado para o país.

Sobre o processo de formalização e organização do setor comercial no país, o governante deu nota positiva, tendo em conta as medidas que estão a ser tomadas para transformar o comércio informal em formal.

A reunião, que contou com a presença dos embaixadores de Portugal, Itália, França, Espanha, entre outros, também abordou questões ligadas às medidas não tarifárias levantadas pela UE, bem como a integração regional de Angola na Zona de Comércio Livre da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
UE estende por mais dois anos o apoio ao comércio em Angola