UGT

Jorge Leite: UGT é “uma espécie de mão que vai em auxílio dos patrões”

O professor de Direito do Trabalho Jorge Leite acusou hoje a UGT de ajudar os patrões e criticou o conteúdo do acordo de concertação social assinado entre o Governo e os parceiros sociais.

“Há duas centrais sindicais em Portugal que querem fazer crer que são iguais, mas não são. Reconheço melhor uma delas, a CGTP, a outra muitas vezes é uma espécie de mão que vai em auxílio dos patrões”, disse Jorge Leite, numa conferência internacional sobre o impacto da crise no emprego e nos direitos e as respostas sindicais, em Lisboa.

Para o professor da Universidade de Coimbra, o recente Compromisso para a Competitividade, Crescimento e Emprego vai retirar “dezenas de direitos” aos trabalhadores. “Se eu enumerasse tudo que os trabalhadores vão perder, o tempo da minha intervenção não chegaria”, disse, salientando que, no entanto, este acordo foi assinado por uma central sindical.

“Mas não é verdade que 50% dos trabalhadores portugueses tenham assinado o acordo de concertação social”, afirmou, referindo que a representatividade das duas centrais é “muito diferente”.

O académico criticou ainda o Presidente da República pelas elevadas pensões auferidas, chamando-o “queixinhas” pelas declarações que fez sobre as suas reformas.

“É preciso um discurso para incomodar mais quem ganha mais do que devia”, defendeu.

Na intervenção, Jorge Leite defendeu a necessidade de “recentrar o trabalho e os trabalhadores no lugar que é o deles”.

O especialista em Direito do Trabalho começou por elogiar o papel da CGTP ao longo dos seus 40 anos e o desempenho de Carvalho da Silva na sua liderança: “Manuel Carvalho da Silva tem sido o rosto do combate da CGTP. É merecedor de uma grande honra, de uma grande distinção e de um agradecimento dos cidadãos portugueses”, disso Jorge Leite, suscitando o aplauso generalizado dos participantes na conferência internacional, promovida pela CGTP na véspera do seu 12º. Congresso, em que Carvalho da Silva deixará o cargo de secretário-geral.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(REUTERS/Kevin Coombs)

Acordo para o brexit com pouco impacto para Portugal

Manifestante contra o Brexit junto ao Parlamento britânico. (REUTERS/Hannah Mckay )

P&R. O que acontece com o acordo do Brexit?

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 600 milhões em investimento público, mas país não sai do fundo da tabela

Outros conteúdos GMG
Jorge Leite: UGT é “uma espécie de mão que vai em auxílio dos patrões”