Menos 18 mil funcionários: Estado emagrece a ritmo recorde em 2011

Vítor Gaspar
Vítor Gaspar

O corte no número de empregos públicos na administração central (todos os ministérios) foi o maior dos últimos anos.

De acordo com números hoje avançados pelo Governo, esta parte do sector público emagreceu 18,6 mil postos de trabalho. Há agora cerca de 493,8 mil postos de trabalho, menos 3,6% face a Dezembro de 2010. É a maior queda de sempre desde, pelo menos, 2005.

O secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, refere que esta redução é sobretudo explicada “pelo esforço de menor contratação de pessoas por parte dos serviços, em segundo lugar, pelas saídas para a reforma e em terceiro devido à própria reestruturação dos serviços”.

Adicionando os trabalhadores dos hospitais EPE e de outras entidades empresariais àquele universo, o número de empregados públicos no final de 2011 fica em 538,4 mil pessoas, ainda assim menos 2,9% que em 2010. Ou seja, a redução global fica menor (menos 16 mil pessoas), o que indica um aumento do número de trabalhadores nas empresas públicas em 2011.

O ministério da Defesa registou a redução homóloga mais acentuada (11,1%) por causa de uma enorme retração dos contratados a prazo (31%) e dos efetivos (6,5%). ao todo, ficou com menos cinco mil pessoas.

Logo a seguir, surge a Saúde com menos 4.072 pessoas, uma redução de 3,2% em 2011 face ao ano anterior. Aqui o corte é sobretudo explicado pela redução no número de trabalhadores do quadro.

Na Educação, que é de longe o ministério mais importante em termos humanos, houve uma redução de 3.358 empregos (menos 1,4%) explicada essencialmente pelo afastamento dos professores contratados.

As duas maiores áreas continuam a ser a Educação, com 235.099 empregados, e a Saúde, com 123.289 pessoas no final do ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
francesinha IKEA

IKEA. E os suecos renderam-se à francesinha

António Costa e Mário Centeno Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Fisco. Igreja continuará livre de IMI, mas terá de o provar

epa05492274 A handout picture provided by Intel Corp. on 17 August 2016 shows Intel CEO Brian Krzanich (L) and Technical Marketing Engineer Craig Raymond (R) demonstrating the Project Alloy virtual reality headset during a presentation at the Intel Developer Forum in San Francisco, California, USA, 16 August 2016.  EPA/INTEL CORPORATION/HANDOUT  HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES

Project Alloy. Não é realidade virtual, é realidade misturada

Teixeira Duarte foi responsável pelas obras do Túnel do Marão.

Teixeira Duarte perde 15 milhões com BCP e prejuízo atinge 36 milhões

Rui Freire conta com experiência na Microsoft, grupo Havas e Global Media Group. Fotografia: DR

Rui Freire passa da Microsoft para o grupo Omnicom

7

30 pessoas estão a mudar o mundo. Conheça-as

Conteúdo Patrocinado
Menos 18 mil funcionários: Estado emagrece a ritmo recorde em 2011