Ana Rita Guerra

Tecno-nacionalismo ou o fim da globalização

Um mês depois lançar o que já é um bem-sucedido iPhone 13, a Apple está a ver-se na contingência de reduzir a produção do smartphone por causa da escassez de chips. Não são os únicos. Há uma disrupção séria em múltiplas cadeias de fornecimento, o que ameaça a recuperação de várias indústrias e dos mercados, em geral, no rescaldo da pandemia de covid-19. Mas esta questão é maior, muito maior que a turbulência gerada pela emergência sanitária. Estamos num ponto crítico de inflexão em relação às cadeias logísticas globais - e às próprias bases da globalização, que regeram as políticas económicas e sociais das últimas décadas.