Hugo Neutel

Não sonho com o jornalismo desde pequenino. Nessa altura queria ser astronauta. Foi muitos anos mais tarde - aos 30, já depois de um curso de Engenharia e de uma carreira profissional na área - que mudei de vida. Todos os dias lia notícias, via reportagens, escutava entrevistas. "Gostava de fazer isto", dei por mim a pensar num intervalo para café enquanto lia o Público. E mergulhei de cabeça: demiti-me - não apenas de um emprego mas de uma profissão - para abraçar o dia-a-dia imprevisível, duro, tantas vezes exasperante mas muitas outras fabuloso do jornalismo. Ouvir histórias e contá-las: eis o que descobri, já trintão, que queria fazer na vida. Acasos, vontades e oportunidades levaram-me à TSF, onde fui editor de Economia durante uns anos. O mundo <em>online</em> chamou-me para o Dinheiro Vivo. E aqui estou.

António Fonseca, Mais Sindicato

António Fonseca: "Querem acabar com a raça dos bancários"

A banca enfrenta uma das maiores vagas de despedimentos dos últimos anos. Só no BCP, no Santander e no Montepio anunciam-se mais de 2000 saídas. O Mais Sindicato, que António Fonseca preside há um ano, tem 38 mil associados e apresenta-se como o maior do país, resultando da fusão de várias organizações do setor. O profissional, que trocou a Caixa Geral de Depósitos pela atividade sindical há quase duas décadas, lamenta o que a carreira se desvalorizou. E garante que, "se fosse hoje, não escolheria ser bancário".