aviação

TAP compromete-se a “adicionar e ajustar planos de rota”

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves. (ANTÓNIO COTRIM/LUSA)
O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves. (ANTÓNIO COTRIM/LUSA)

Companhia lembra que está disposta a colaborar mas sujeita a constrangimentos legais regionais.

A TAP vai alterar os planos de reabertura e ajustar a operação no sentido que tem sido pedido, garante a companhia, em comunicado enviado ao Dinheiro Vivo.

Numa carta assinada pela administração liderada por Antonoaldo Neves, a companhia garante estar empenhada em encontrar soluções e disposta a “colaborar de imediato com todos os agentes económicos, nomeadamente associações empresariais e entidades regionais de turismo, para viabilizar o maior número de oportunidades, adicionar e ajustar os planos de rota anunciados para este momento de retoma por forma a procurar ter um serviço ainda melhor e mais próximo a partir de todos os aeroportos nacionais onde a TAP opera, o que, considerando o período difícil que Portugal atravessa, ficará, naturalmente, subordinado aos constrangimentos legais que existam quanto à mobilidade das pessoas e ao transporte aéreo”, lembra.

A companhia aérea portuguesa diz manter o objetivo de continuar a voar para retomar a sua operação e a servir os seus clientes sempre de forma a “assegurar a sua sustentabilidade futura e continuar a projetar Portugal no mundo”.

O próprio primeiro-ministro afirmara já nesta manhã que a Comissão Executiva da TAP tem o dever legal de “gestão prudente”, considerando que “não tem credibilidade” um plano de rotas sem prévia informação sobre a estratégia de reabertura de fronteiras de Portugal. António Costa começou por frisar que “a gestão das fronteiras é responsabilidade soberana do Estado português” e que a presente pandemia “exigiu e exige por tempo ainda indeterminado a imposição de restrições na circulação nas fronteiras terrestre, marítima e aérea”.

Também Marcelo Rebelo de Sousa já se dissera preocupado, tal como os vários partidos políticos e autarcas que haviam reagido ao plano de retoma de rotas da TAP, “em particular no que respeita ao Porto”. Rui Moreira acusara mesmo a TAP de “impor um confinamento ao Porto e Norte”, considerando que o plano de rotas apresentado (apenas a partir de Lisboa) representava um “abandono do país” e o PS lamentara um projeto “lesivo do interesse do país”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

TAP compromete-se a “adicionar e ajustar planos de rota”