banca

Bankinter prevê crescer 30% em Portugal em 2018

A carregar player...

Há dois anos em Portugal, o Bankinter visa aumentar os seus resultados antes de impostos em 30% em 2018 e ser um banco de referência.

No dia 1 de abril o Bankinter comemorou o seu segundo aniversário em Portugal. Enquanto outros bancos têm deixado o país ou reduzido as suas operações, o Bankinter decidiu continua a apostar no mercado português e captar clientes. Em 2018, prevê voltar a crescer e antecipa resultados antes de impostos na ordem dos 40,3 milhões de euros, um aumento de 30% face a 2017. Em três anos, o objetivo é representar 10% dos resultados do grupo espanhol. “O Bankinter acreditou que o mercado português tinha potencial, que a economia portuguesa estava a crescer e iria evoluir bem nos próximos anos, e continuamos a pensar isso”, disse Alberto Ramos, diretor-geral do banco em Portugal.

O Bankinter entrou no país através da compra das operações de retalho do Barclays, muito concentradas no negócio dirigido a particulares. Agora, o Bankinter quer equilibrar a balança entre particulares e empresas e tem vindo a reforçar a aposta e os recursos no desenvolvimento deste segmento. “Está na altura de assumirmos uma ambição maior no mercado de empresas”, afirmou Alberto Ramos. Por isso, dos cerca de 2.000 milhões de crédito que o banco pretende conceder em Portugal em 2018, dois terços desse montante será destinado às empresas. Em 2017, a produção de crédito do banco superou os 1300 milhões de euros. “Em Espanha, a banca de empresas é a unidade mais relevante, a maior geradora de negócios e resultados para o grupo. Em Portugal isso não acontece”, disse.

No âmbito desta estratégia, o Bankinter abriu recentemente dois centros de negócios, passando a ter seis deste postos de atendimento a empresas. Além disso, na sua rede de 81 balcões, colocou gestores dedicados de negócios.

Mas não fica esquecido o segmento de particulares: no total, entre empresas e particulares, o Bankinter quer captar 25 mil novos clientes este ano em Portugal. No ano passado, o banco captou 17 mil clientes no mercado português. No final de 2017, detinha quase 150 mil clientes particulares e 20 mil empresas.

Atento a oportunidades

Se o objetivo do banco em Portugal é continuar a crescer por via orgânica, não está descartada uma eventual aquisição. “Olhamos para oportunidades mas o foco continua a ser no crescimento orgânico”, afirmou Alberto Ramos. Frisou que “uma aquisição causa sempre muita distração” e que o banco prefere manter-se forcado no “seu caminho”. A entrada em Portugal foi, de resto, a primeira aquisição de dimensão do grupo.

A estratégia vai passar pelo desenvolvimento das ofertas e ferramentas disponíveis para os seus clientes. O Bankinter opera em Portugal na área da banca a particulares e empresas, seguros e crédito ao consumo. Algumas áreas, como a de private banking, vai ter reforço de equipas para potenciar o crescimento. A meta é continuar a apanhar a boleia do crescimento da economia portuguesa e melhoria das condições para o investimento.

Na sua aposta no mercado português, o Bankinter quer-se diferenciar com uma oferta no crédito à habitação e uma conta ordenado inovadora. No crédito à habitação, o banco emprestou 464 milhões de euros em 2017, o que correspondeu a 5,7% de quota de mercado. No total, a carteira de crédito à habitação do banco atingiu os 3.741 milhões de euros no final de 2017. E a ideia é continuar a ter ofertas diferenciadoras face à concorrência.

A aposta nas plataformas digitais – internet e móvel – vai continuar. “Estamos a passar para uma lógica em que se capta negócio e se fazem vendas através de plataformas digitais”, indicou o responsável do Bankinter. Mas não implicará novos cortes de pessoal, depois de saídas nos últimos dois anos que culminou com a redução de 50 trabalhadores em 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EUA China

China retalia na ‘guerra’ com os EUA com tarifas em 75 mil milhões de bens

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Bankinter prevê crescer 30% em Portugal em 2018