banca

BCP: Plano estratégico terá de ter dividendos e menor malparado

Oeiras, 30/05/2018 - Assembleia Geral do Millenium BCP, marcada pela eleição da nova administração do banco, no Tagus Park
Miguel Maya, novo CEO do Millenium BCP
Nuno Amado, antigo CEO do Millenium BCP

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )
Oeiras, 30/05/2018 - Assembleia Geral do Millenium BCP, marcada pela eleição da nova administração do banco, no Tagus Park Miguel Maya, novo CEO do Millenium BCP Nuno Amado, antigo CEO do Millenium BCP ( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Miguel Maya promete apresentar o novo plano estratégico em breve. Há dois temas incontornáveis para acionistas e analistas.

Lucros a subir e a serem distribuídos pelos acionistas. Crédito malparado a descer. Estes são dois temas-chave que o novo presidente executivo do Millennium bcp terá de ter incluídos no seu plano estratégico para o banco, que tem a chinesa Fosun como maior acionista.

Primeiro, Miguel Maya tem de ver confirmado o seu mandato pelos supervisores. O Banco Central Europeu ainda está a fazer a avaliação sobre a adequação e idoneidade dos nomes eleitos para a liderança do BCP, um processo denominado de fit and proper. Assim que tiver luz verde para assumir funções, Miguel Maya vai discutir o novo plano estratégico do banco com os restantes membros da comissão executiva, garantiu o CEO após a assembleia geral (AG) de acionistas do BCP que o elegeu. Depois, apresenta o plano ao conselho de administração. O novo CEO do BCP já garantiu que espera conseguir aumentar os lucros do banco. E a Sonangol, segundo maior acionista do BCP, já deixou um recado: espera um lucro líquido acima dos 300 milhões estimados para 2018.

Sete anos sem dividendos

A Sonangol não quer só que o BCP tenha mais lucros. Também quer ver dividendos. O último ano em que o BCP pagou dividendos foi em 2011, quando pagou aos acionistas através da emissão de novas ações. A travessia no deserto, por parte dos acionistas do banco, incluiu seis operações de aumento de capital. A último ocorreu em fevereiro de 2017. “Na última década, o BCP pediu dinheiro aos acionistas, através de aumentos de capital, em 2008, 2011, 2014 e 2017 e apenas distribuiu lucros, sob a forma de dividendos em 2009 e 2010”, disse Paulo Rosa, economista e senior trader do Banco Carregosa.

Carlos Saturnino, presidente da petrolífera angolana, afirmou, após a AG da passada quarta-feira, que “seria muito bom” que o BCP pagasse dividendos em 2019 e até este ano.

“É perfeitamente normal. A Sonangol teve um papel muito importante na estabilização do banco apoiando-o em momentos que foram absolutamente decisivos”, disse Miguel Maya, aos jornalistas, após a AG. “Fomos dos poucos bancos na Europa que receberam ajudas do Estado que devolveram as ajudas do Estado. Pagámos mais de mil milhões em comissões e juros e é normal que os acionistas que fizeram esse esforço agora peçam mais”, lembrou. “Estamos cá também para, beneficiando do trabalho que já foi feito, conseguir entregar mais aos acionistas”, afirmou.

Melhorar resultados

“Do ponto de vista dos acionistas/investidores, a história do BCP nos últimos 10 anos não foi a melhor”, disse Paulo Rosa. “É justo dizer que esta foi das piores décadas para a banca portuguesa e não só, mas os acionistas do BCP certamente que esperam que o futuro seja bem diferente.” A expectativa é clara: “os acionistas esperam que a nova administração consiga pagar dividendo relativo aos resultados de 2018”, afirmou.

Defende que para melhorar os resultados, o BCP precisa de aumentar a concessão de crédito de qualidade que traga receitas ao banco. “Os níveis de concessão de crédito no BCP são baixos, mas é preciso aumentá-los sem fazer subir o crédito malparado e, de preferência, reduzindo-o”, apontou lembrando que “o BCP ainda apresenta imparidades de 900 milhões de euros”. Por outro lado, “com baixas taxas de juro não é fácil os bancos ganharem dinheiro… mas, em princípio, estaremos já no final deste ciclo de taxas baixas”.

Maya tem outros dois grandes desafios: apaziguar os trabalhadores, após o reforço das pensões dos membros da comissão executiva cessante em 4,9 milhões de euros; e lidar com o maior risco político em Itália e Espanha, que pesa nas ações da banca na Europa.

CEO Um homem da casa que traz um novo ciclo ao BCP

Há mais de duas décadas no BCP, Miguel Maya é o sucessor de Nuno Amado na liderança do banco. Amado passa a chairman e Maya a CEO, numa sucessão natural, dado que era até agora vice-presidente do BCP, seguindo de perto a área de crédito, incluindo a gestão do crédito malparado. Na comissão executiva estarão ainda Miguel Bragança, João Nuno Palma, José Pessanha, Rui Teixeira e Maria José Campos. O conselho de administração emagreceu para 17 membros. E contará com a entrada de Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade, em representação da Fosun, que também é dona da seguradora, e uma ausência: António Mexia, presidente da EDP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Altice “culpa” demora da decisão dos reguladores para fim do negócio com TVI

Fotografia: D.R.

Prisa vai analisar “todos os cenários” para Media Capital

Outros conteúdos GMG
BCP: Plano estratégico terá de ter dividendos e menor malparado