CGD

Governo pediu à CGD para ser assistente no processo na PGR

Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA
Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O debate foi pedido pelo CDS depois de divulgada a auditoria preliminar à gestão da CGD. Um debate que conta com a presença do ministro das Finanças.

O ministro das Finanças revelou esta quinta-feira que deu instruções à administração da Caixa Geral de Depósitos para se constituir assistente no processo que decorre na Procuradoria-Geral da República (PGR).

“O governo deu indicação para a Caixa se constituir assistente no processo junto da PGR para ter uma participação ativa e acompanhar de perto a investigação em curso”, referiu Mário Centeno no debate a pedido do CDS sobre a auditoria ao banco público, justificando com a necessidade de “agir na defesa do interesse dos contribuintes”.

O ministro das Finanças respondia à intervenção do deputado do CDS-PP, João Almeida, que acusou o governo de “em relação à Caixa não sabe, não quer saber e não deixa que se queira saber”, acrescentando que o “governo começou por negar a auditoria, assumiu a contragosto a auditoria e quando avançou, fez saber que não queria saber.”

Na resposta, Mário Centeno começou por afirmar que “fizemos o que nenhum outro governo tinha feito nos últimos 20 anos. Oito ministros das Finanças e sete governos nunca o fizeram. Nem mesmo durante o programa de ajustamento quando o governo de então decidiu injetar no banco público 1650 milhões de euros”, lembrando que o CDS fazia parte desse executivo, mas “não terá perguntado então o que estava na origem das perdas da CGD.”

 

Ministério Público investiga gestão da CGD

De acordo com o ministro das Finanças, foram dadas instruções à administração da CGD para que os resultados da auditoria fossem enviados para o Ministério Público, garantindo que o governo não vai “embarcar em exercícios de voyeurismo populista, nem para embarcar numa campanha que prejudique um banco que é de todos os portugueses e o coloque em desvantagem face aos concorrentes.”

Mário Centeno garantiu ainda que nunca teve acesso a documentos com informação reservada à administração e supervisores. O titular das Finanças sublinhou que “há muito que instruímos a administração da CGD para remeter o relatório da mesma à Procuradoria-Geral da República”, lembrando que uma vez que cabe ao Banco de Portugal o apuramento das responsabilidades contraordenacionais, foi também pedido que o relatório fosse enviado ao supervisor.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Crédito: Windfloat

EDP Renováveis leva tecnologia eólica flutuante para a Ásia e investe na Coreia

Outros conteúdos GMG
Governo pediu à CGD para ser assistente no processo na PGR