Caixa Geral de Depósitos

Marques Mendes: CGD “foi uma derrota perante o BCE”

Marques Mendes
Marques Mendes

O processo de nomeação da nova gestão da CGD é “uma derrota das autoridades portuguesas perante o BCE”, critica Marques Mendes

O caso CGD foi “um processo conduzido irresponsavelmente na praça pública” e, apesar de o banco do Estado ir ter “um novo presidente sério, competente e muito profissional”, Domingues “inicia funções já fragilizado”, afirmou Marques Mendes.

“O BCE impôs a separação de funções [de ‘chairman’ e CEO]”, o que mostra que esta proposta foi “mais uma guerra perdida pelas autoridades portuguesas. Pior era difícil”, frisou o comentador da SIC, no seu comentário semanal.

Para Marques Mendes o processo de nomeação da nova gestão da CGD é “uma derrota das autoridades portuguesas perante o BCE”, critica Marques Mendes.

É “uma derrota das autoridades portuguesas perante o Banco Central Europeu”, o processo de nomeação da nova gestão da Caixa Geral de Depósitos, afirmou.

No seu entender o facto de o supervisor europeu ter chumbado o modelo de governação que o Governo e António Domingues tinham concebido para a CGD e que previa uma equipa de 19 administradores e a acumulação de funções de presidente executivo e não executivo, não foi positivo.

“Tinha sido dito que a Caixa ia ter 19 administradores. E que estava tudo acertado com o BCE. Afinal o BCE impôs-se às autoridades portuguesas e vamos ter apenas 11. Na prática vários nomes propostos foram ‘chumbados’. Conclusão: Temos pessoas convidadas e agora desconvidadas. Uma precipitação por parte de quem convidou e uma humilhação para quem é convidado e desconvidado. Parece uma brincadeira de crianças”, remata Marques Mendes.

O Conselheiro de Estado, com o seu estilo próprio fala mesmo da “saga da CGD”, processo em que, no seu entender, “as autoridades continuam a dar tiros nos pés”. O comentador diz mesmo que “é difícil encontrar tanta leviandade junta”.

Esta avaliação resulta ainda do facto de durante o segundo trimestre do ano, altura quando o caso CGD já estava na praça pública, o banco ter perdido quase 1.400 milhões de euros em depósitos. “Não admira. Com tanto ruído em torno da Caixa, as pessoas assustam-se”, sublinhou.

Considerou mesmo uma “leviandade” o facto de “o banco do Estado [ter estado] 2/3 do ano (oito meses) sem uma administração em plenitude de funções. Deve ser um recorde mundial, digno do Guinness. Assim não admira que a imagem do banco público se degrade”.

E como sempre nos seus comentários semanais deixou no ar uma pergunta relacionada com o facto de “praticamente todos os membros propostos para a comissão executiva serem quadros do BPI”. Sem pôr em causa a sua “seriedade e competência”, o comentador questiona: “são quadros de um banco concorrente. Agora, vão para a Caixa. Muito bem. Mas mantêm vínculo ao BPI? No final, voltam ao BPI? Isso não suscita conflito de interesses? É que à mulher de César não basta ser sério. É preciso também parecê-lo”.

De acordo com o Jornal de Negócios, ainda não há qualquer posição oficial sobre esta matéria. No entanto, diversas fontes adiantam que, os quadros do BPI que vão transitar para a administração executiva da CGD – Emídio Pinheiro, Tiago Ravara Marques e João Tudela Martins – vão deixar de ter qualquer vínculo ao banco de origem.

Além de Domingues e dos gestores que vêm do BPI, a gestão executiva da Caixa vai ainda integrar Henrique Cabral Menezes, atual presidente do Banco Caixa Geral Brasil; Pedro Leitão, antigo administrador da PT; e Paulo Rodrigues da Silva, ex-administrador da Vodafone Portugal.

Entre os 11 administradores não executivos que tinha sido propostos, ainda não se sabe quais permanecerão na equipa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

EPA/MIGUEL FIGUEIREDO LOPES

Mais de 90% querem ver estado de emergência prolongado

Marques Mendes: CGD “foi uma derrota perante o BCE”