banco popular

Popular oferece condições superiores às estabelecidas na lei, diz sindicato

popular

O Banco Popular está a avançar com uma reestruturação que implica a redução de 295 trabalhadores.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) alertou hoje para o encerramento de balcões e redução de pessoal no Banco Popular, no âmbito de um plano de reestruturação anunciado pelo grupo espanhol e que afeta a operação nacional.

O plano inclui o fecho de 47 agências distribuídas por todo o território nacional e a redução do quadro de pessoal em 295 trabalhadores, anunciado ontem ao final do dia pelo Banco Popular.

O sindicato indica, em comunicado, que vai realizar sessões plenárias nos próximos dias e que “o Banco Popular comprometeu-se a abrir um processo de candidaturas voluntárias, conducentes a rescisões de contrato por mútuo acordo (RMA), com condições bastante superiores às estabelecidas na lei”.

“As condições finais a apresentar pelo Banco aos seus trabalhadores estão ainda em negociações e o SNQTB está a convocar os seus sócios para plenários a realizar em várias cidades no país nos próximos dias”, afirma Paulo Marcos, presidente do SNQTB.

“Importa salientar que o Banco Popular reafirmou a vontade de continuar em Portugal, agora com uma aposta renovada nas pequenas e médias empresas”, acrescenta o comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

Fotografia: ALMEIDA/LUSA

António Costa. 4 de maio é data limite para normalização do ensino

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Popular oferece condições superiores às estabelecidas na lei, diz sindicato