CGD

Macedo: CGD vai passar por “mudança radical” na estrutura de custos e receitas

Paulo Macedo
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )
Paulo Macedo ( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

CEO explicou que agora vai ser exigido à CGD uma redução de custos de 20% entre hoje e 2020 e um corte no custo do risco para menos de 0,6%

Paulo Macedo considera o plano estratégico negociado com Bruxelas para a CGD como “uma mudança radical em termos de estrutura de proveitos e de custos” em relação ao histórico do banco público. Isto porque recapitalizar o banco não chega, é preciso mudar o perfil do mesmo, explicou.

“É um plano ambicioso, um bom ponto de partida, que representa uma mudança radical em termos de estrutura de proveitos e custos da CGD”, começou por apontar o novo CEO do banco. “Se não mudarmos a política de risco, se não tivermos novas formas de conceder créditos e um maior rigor, então não teremos o futuro que queremos para a Caixa”, disse.

Paulo Macedo explicou de seguida que a partir de agora vai ser exigido à CGD uma redução de custos de 20% entre hoje e 2020, um corte no custo do risco para menos de 0,6% e uma maior resiliência, com a CGD a ter que chegar ao final de 2020 com um CET1 de pelo menos 14% e uma rentabilidade igual ou superior a 9%.

O presidente executivo do banco explicou ainda que o banco está pronto a pedir a aprovação do avanço da emissão de dívida – de 500 milhões de euros -, com a CGD a prever realizar já nas próximas semanas um roadshow para captar investidores, de forma a concretizar a recapitalização.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Macedo: CGD vai passar por “mudança radical” na estrutura de custos e receitas