banca

A banca portuguesa está cada vez mais espanhola

abanca-hd

Na consolidação da banca portuguesa, os espanhóis lideram compras.

O “assalto” espanhol à banca portuguesa voltou a ganhar fôlego nesta semana. Os ventos estão favoráveis a uma maior consolidação no setor e empurram bancos portugueses para casamentos com bancos do país vizinho.

Depois de na segunda-feira 10 de fevereiro o Abanca ter fechado o acordo para a compra de 95% do EuroBic, foi a vez, logo no dia seguinte, de o Bankinter se assumir como potencial candidato à compra do Novo Banco. Foi na terça-feira, na apresentação das contas do banco em Portugal, que o diretor-geral do Bankinter no país reconheceu o interesse no banco “que tem uma quota (de mercado no segmento) das empresas bastante interessante”, nas palavras de Alberto Ramos.

Entre os espanhóis, o Santander retirou-se, aparentemente, da corrida nesta nova vaga de concentração da banca em Portugal. Depois de nos últimos anos aglutinar o Banif e o Banco Popular, o banco liderado por Pedro Castro e Almeida apontou que apenas está interessado no crescimento orgânico do banco. Mas, apesar de clarificar que não quer comprar o Banco Montepio, um dos que têm sido alvo de expectativas de vir a ser vendido, Castro e Almeida deixou um recado: os bancos mais pequenos irão mesmo ter de consolidar. O CEO do Santander explicou que não há espaço no mercado português para tantos bancos e lembrou que “é interessante a parte da consolidação, porque a rentabilidade média do capital está na casa dos 7%, o que é muito abaixo”, já que é “quase metade da rentabilidade da banca americana” e “o custo do capital está na casa dos 10%”. Nesta situação, “as empresas ou fecham ou têm de ganhar escala”, pelo que parece “inevitável” que haja consolidação na banca, disse Castro e Almeida.

Banca nova

No caso do EuroBic, este banco está na reta final para se tornar a mais recente baixa na lista de bancos – e marcas – que desaparecem para reforço de rivais espanhóis; ainda não há datas fixadas nem valores divulgados no negócio que foi anunciado. Fontes contactadas pelo Dinheiro Vivo apontaram que “só quando for concluída a due diligence [análise da saúde financeira do banco] é que pode avançar a operação” e “haver um valor final e uma data para a sua conclusão”.

A compra, a concretizar-se, vai reforçar a presença do Abanca no mercado português. O banco galego – que por sua vez é detido pelo banco venezuelano Banesco – entrou no país através da aquisição, em março de 2018, da atividade de banca de retalho e banca privada do Deutsche Bank. O Abanca herdou então 41 balcões e mil milhões de euros em depósitos. Detém atualmente 91 agências bancárias no país. Agora, pode ganhar uma rede com cerca de 170 balcões em todo o país e um banco que tem um volume de negócios (crédito a clientes e recursos de clientes) a rondar os 11 mil milhões de euros.
Quanto ao Novo Banco, o cenário apontado como mais provável no mercado é de que venha a consolidar com o Millennium bcp. Mas a Lone Star – detentora de 75% do banco – já garantiu que não está vendedora antes de 2021. Tem sido noticiado que está a ser estudada pelo governo uma injeção final de capital no Novo Banco, o que poderia acelerar a venda do banco.

Segundo o CEO do Bankinter, a confirmação do seu interesse na compra do banco vai depender da situação financeira e de balanço em que o Novo Banco se encontrar quando o momento de uma venda chegar. “Veremos o que é que será [o Novo banco quando for posto à venda] e avaliaremos”, disse Alberto Ramos. Adiantou que “é natural” que o Novo Banco venha estar à venda neste ano ou em 2021. “Estaremos atentos a essa oportunidade”, garantiu, reconhecendo que “nos últimos tempos” o banco analisou “várias opções”.

O Bankinter começou a operar em Portugal a 1 de abril de 2016 na sequência da aquisição da rede de banca comercial do Barclays. A concretizar-se a compra do Novo Banco, seria a maior aquisição no setor depois de o La Caixa ter ficado com a totalidade do Banco BPI. A banca espanhola passaria assim a controlar quase metade do setor em Portugal. Atualmente, um terço da banca está nas mãos de grupos espanhóis. Sobram o Millennium bcp, que tem como maiores acionistas a chinesa Fosun e a angolana Sonangol, a estatal Caixa Geral de Depósitos, o Montepio, da Associação Mutualista Montepio Geral, e o Grupo Crédito Agrícola, de cariz cooperativo.

Pressão para consolidar
Apesar de o pior já ter passado na banca portuguesa, como se tem confirmado pelos lucros que os bancos vão apresentando – à exceção do Novo Banco – permanecem riscos e desafios. Segundo a agência Fitch, os bancos portugueses terão de emitir até nove mil milhões de euros de dívida nos próximos anos para ter a almofada necessária para cumprir os requisitos mínimos de fundos próprios e ativos elegíveis (MREL, em inglês). A maior concorrência e a chegada de novos rivais digitais pressionam as receitas e a margem do setor, e a revolução digital por que passa o setor exige investimentos e contratação de novos – e caros – recursos.

“Fusões e aquisições estão de volta à agenda como possível solução para as preocupações sobre a rentabilidade dos bancos europeus”, apontou Richard Barnes, diretor da S&P numa análise, no final de 2019. Lembrou que vários responsáveis políticos na Europa defenderam a consolidação como forma de criar campeões regionais e acelerar a união bancária da zona euro. E antecipa que, no futuro, a “lógica” dita que vai haver uma consolidação maior entre os grandes bancos na região.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

A banca portuguesa está cada vez mais espanhola