cpi cgd

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD

O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA
O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Berardo e Fino dizem não ter ativos para pagar dívidas milionárias. Caixa ficou com quase todo o risco em empréstimos para a compra de ações.

O potencial de ganho era dos grandes devedores. E o risco de prejuízos ficava quase todo no lado da Caixa Geral de Depósitos (CGD). O banco público, sob a gestão de Carlos Santos Ferreira, concedeu créditos para a aposta em ações do BCP e de outras cotadas do PSI20, segundo conclusões da auditora especial da EY e das audições na II Comissão Parlamentar de Inquérito à gestão na CGD.

Os devedores ficavam protegidos, caso as ações desvalorizassem. Já o banco público carregou quase exclusivamente com os prejuízos dos tombos da bolsa durante a crise. Esses negócios foram um dos fatores que levaram a que cada família portuguesa tivesse de injetar dois mil euros na Caixa, segundo estimativas reveladas esta sexta-feira por António Horta Osório, na conferência da AICEP.

Em apenas desses dois financiamentos para apostas bolsistas, concedidos a Berardo e Manuel Fino, a Caixa vai perder 585 milhões de euros, caso não arranje forma de executar ativos que possam aligeirar os prejuízos. No caso de Berardo, a dívida ao banco público é de 305 milhões de euros, segundo o Observador que cita a ação contra o empresário apresentada no Juízo de Execução de Lisboa pela CGD, BCP e Novo Banco.

Berardo disse no Parlamento não ter ativos e que “pessoalmente” não tem dívidas. Respondeu à deputada do CDS, Cecília Meireles, com um sonoro “ah-ah” após ser questionado sobre a possibilidade de deixar de mandar na associação que detém a valiosa coleção de arte.

Leia também: Berardo, o devedor de milhões sem garantias e avaliações

O empresário tomou medidas para que essas obras ficassem fora do alcance de execuções, sendo acusado de “golpada” pela deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua. A Caixa começou a financiar Berardo em 2007. E a conduta que o comendador teve no Parlamento levou ontem o Conselho das Ordens Nacionais a abrir um processo disciplinar para analisar se mantém as condecorações atribuídas ao empresário por Ramalho Eanes e Jorge Sampaio.

Já a Investifino, de Manuel Fino, tem uma dívida de entre 260 milhões a 280 milhões de euros ao banco público, de acordo com informação citada por Mariana Mortágua na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD. Começou a pedir dinheiro ao banco público em 2005.

O filho de Manuel Fino garante que não há património para pagar essa dívida. José Manuel Fino afirmou, na comissão, que “todo o património que existia foi dado em garantia desta operação. Não existe mais património”. Afirmou que a Investifino atualmente já “não existe” e que os ativos em Malta, para onde foi transferida a empresa de Fino, “são zero”.

Capitalistas sem capital

A CGD foi um dos grandes financiadores de capitalistas sem capital que quiserem aventurar-se em bolsa. As garantias pedidas não iam além das próprias ações que foram compradas com rácios de cobertura baixos. Não foram exigidos avales pessoais e os pareceres da direção de risco não foram acatados.

Leia também: Santos Ferreira defende empréstimos a Berardo

Se os títulos valorizassem o ganho era dos investidores. Se desvalorizassem, o que veio a acontecer, a perda era da CGD e dos contribuintes. Pior, o banco não executou as ações dadas como garantia quando estas passaram abaixo do valor do financiamento concedido de forma a limitar as perdas. “Eles quiseram esperar e depois via-se”, revelou Berardo.

Já na Investifino, os créditos foram concedidos para a compra de ações do BCP, Cimpor e Soares da Costa. José Manuel Fino reconheceu que a estratégia era investir em grandes empresas da bolsa com crédito do banco público e utilizar os dividendos para pagar a dívida contraída. Com a crise de 2008 os títulos perdem valor e os dividendos são congelados, precipitando o incumprimento.

Registo de perdas adiado

As dívidas de Berardo e Fino passariam por sucessivas reestruturações. O banco público tentou adiar o reconhecimento de perdas nas contas com esses créditos e avaliou as ações dadas como garantia de uma forma que foi considerada “não aceitável” pelo Banco de Portugal, segundo um documento interno citado por Mariana Mortágua.

O supervisor, na sequência de uma inspeção em 2011, forçou a CGD a aumentar as imparidades assumidas nos empréstimos a Berardo, Fino e Goes Ferreira. O antigo vice-governador do Banco de Portugal confirmou que a CGD não quis reconhecer essas perdas, achando “excessivo” o reforço das imparidades imposto pelo supervisor.

Ainda assim, o supervisor forçou o banco a reconhecer essas perdas, mas apenas anos depois de terem surgido os primeiros relatórios a alertar para deficiências no crédito garantido por ações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
David Cameron, no Forum Económico Mundial 2020, em Davos. DR.

Davos. Os negócios, a política, o ambiente e os “do contra”

Ilustração: Vítor Higgs

Espanhóis e chineses na corrida para entrar no capital do EuroBic

Procurador-Geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós (EPA/MARIO CRUZ)

PGR angolano afasta mais arguidos portugueses no caso Isabel dos Santos

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD