banca

Abanca quer ter volume de negócios de 9.400 milhões em Portugal até 2021

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Depois de concluída compra do negócio de retalho do Deutsche Bank em Portugal, o galego Abanca fica em Portugal com um volume de negócios de 7.363 milhões de euros, sendo a décima instituição financeira do mercado português.

O banco espanhol Abanca já traçou os objetivos para os próximos anos no mercado português: crescer em volume de negócios. Depois de concluída a compra da carteira de retalho do Deutsche Bank em Portugal no passado fim-de-semana, a instituição bancária galega ficou a gerir um volume de negócios de 7.363 milhões de euros, dos quais 4.065 milhões de euros são em recursos de clientes e 3.298 milhões de euros em crédito. O banco é, assim, a décima instituição do mercado nacional, tanto em recursos dos clientes, como em crédito, de acordo com o comunicado.

“O ABANCA atribui a Portugal uma importância especial nos seus planos a longo prazo”, nota. “A entidade, que dispõe de uma experiência prévia de 19 anos no mercado português, traçou como objetivo para 2021 alcançar um volume de negócios de 9.400 milhões e posicionar-se como um dos bancos de referência no país”.

Com quase 79 mil clientes no mercado português (entre particulares e empresas), o banco galego quer ser uma “referência” em Portugal, através de “um modelo inovador e diferenciador”. “As suas características principais são o conhecimento das necessidades do cliente, a combinação de atendimento pessoal com banca à distância (online e telefónica), o serviço através de unidades especializadas, a simplicidade e transparência na contratação e gestão de produtos e serviços, e a orientação internacional, entre outros. Os clientes aos quais o ABANCA se dirigirá em Portugal são as empresas, e os particulares do segmento private banking”.

Integração mantém aposta no private banking

A conclusão da integração do Deutsche Bank PCB Portugal nos últimos dias permite ao banco iniciar uma nova fase no mercado nacional. O Abanca assegura que manterá as “valências do negócio adquirido, como o seu posicionamento e prestígio no segmento private banking, e potenciará as suas capacidades operacionais e de negócio em áreas como a banca de empresas, os seguros ou a banca digital”.

A instituição tem em Portugal uma equipa de cerca de 500 pessoas e uma rede comercial composta por 70 pontos de vendas. A gestão do negócio e a tomada de decisões será feita a partir de Portugal “através de uma estrutura de órgãos de governo autónoma no seio do grupo Abanca”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

Fotografia: Armando Babani/ EPA.

Sindicato do pessoal de voo lamenta “não atuação do Governo” na Ryanair

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Outros conteúdos GMG
Abanca quer ter volume de negócios de 9.400 milhões em Portugal até 2021