AG do BCP

Acionistas do BCP aprovam dividendos e compensação de trabalhadores

Acionistas do Millennium BCP à chegada para a assembleia-geral anual, nas instalações do banco no Taguspark, em Oeiras, 22 de maio de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
Acionistas do Millennium BCP à chegada para a assembleia-geral anual, nas instalações do banco no Taguspark, em Oeiras, 22 de maio de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Todas as propostas submetidas à AG foram aprovadas com quase 100% dos votos. A reunião, marcada para as 14H30, terminou por volta das 18H00.

Os acionistas do Millennium bcp, reunidos esta quarta-feira em Assembleia Geral (AG) anual, deram ‘luz verde’ ao ao pagamento de dividendos e ao plano de compensação dos trabalhadores.

As propostas, definidas no ponto 2 da ordem dos trabalhos da AG, foram aprovadas por 99,98% dos acionistas presentes na reunião. A AG arrancou com 64,5% do capital representado.

A administração propôs a distribuição de 30 milhões de euros em dividendos, uma estreia depois de oito anos de seca, e um plano de compensação de trabalhadores da ordem dos 12,6 milhões de euros, relativo aos anos de crise em que os salários foram alvo de cortes.

Todas as propostas submetidas à AG foram aprovadas com quase 100% dos votos. A reunião, marcada para as 14H30, terminou por volta das 18H00.

A AG foi marcada por uma manifestação de trabalhadores e sindicatos para pressionar os acionistas a aprovar o plano de compensação. O BCP tinha 7.262 trabalhadores em Portugal no final de março.

A reunião tem 11 pontos na sua ordem de trabalhos, incluindo o primeiro, relativo às contas anuais, que foi aprovado com 100% dos votos.

O ponto três da reunião, relativo à apreciação geral da administração e órgãos de fiscalização do banco, foi aprovado com 99,88% dos votos. O ponto quatro, referente à política de remuneração dos órgãos de gestão e de fiscalização, foi aprovado com 99,38% dos votos. Quanto ao ponto cinco, sobre uma alteração dos estatutos do banco, foi aprovado com 99,98% dos votos.

O ponto seis foi aprovado com 99,97% dos votos e é relativo à nomeação de Fernando Lima – ex-administrador do BPI – como novo membro do conselho de administração e da comissão de auditoria do banco.

A nomeação de Cidália da Mota Lopes para presidente da comissão de auditoria – o ponto sete da AG – foi aprovada com 99,79% dos votos presentes.

A nomeação de Nuno Alves – ex-quadro do BCP e ex-administrador financeiro da EDP – para o conselho de remunerações e previdência – o ponto oito da AG – foi aprovada com 99,79% dos votos.

A Deloitte foi reconduzida como revisor oficial de contas – para o período 2019-2020 – e como auditor externo do BCP com cerca de 99% dos votos.

O BCP é detido em cerca de 27% pelo grupo chinês Fosun, que é o maior acionista do banco, seguindo-se a petrolífera angolana Sonangol com 19%. A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, tem cerca de 2,8% do banco e a EDP 2,1%.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Acionistas do BCP aprovam dividendos e compensação de trabalhadores