Banif

Advogados ajudam lesados do Banif a ultimar processos judiciais e reclamações

Ricardo Mourinho Félix (à esq.), secretário de Estado das Finanças, geriu o dossiê de resolução e venda do Banif, no final de 2015. Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA
Ricardo Mourinho Félix (à esq.), secretário de Estado das Finanças, geriu o dossiê de resolução e venda do Banif, no final de 2015. Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Associação dos lesados do Banif diz que alguns antigos clientes já começaram a "entrar em pânico". Têm medo de perder tudo.

Os advogados que representam a Associação de Lesados do Banif (ALBOA) receberam, esta sexta-feira, no Funchal, os ex-clientes do banco no sentido de os “orientar e ajudar” a ultimar os processos junto da justiça.

“Trata-se de ajudar e encaminhar os lesados nas ações que devem mover antes que termine o prazo para o efeito, que é no dia 19 de dezembro”, explicou à agência Lusa o presidente da ALBOA, Jacinto Silva, vincando que, neste momento, algumas pessoas começam a “entrar em pânico”.

Os lesados têm de mover as ações individualmente e por duas vias: uma judicial e outra por reclamação à comissão liquidatária do Banif, correndo o risco de, caso não avancem com os processos, perderem os direitos e a possibilidade de reaver os montantes investidos em produtos do banco.

A ALBOA representa 1.300 dos 3.500 obrigacionistas que perderam 263 milhões de euros no processo de venda do Banif ao Santander Totta, que o adquiriu em dezembro de 2015 por 150 milhões de euros, na sequência de uma resolução do Governo da República e do Banco de Portugal, através da qual foi criada a sociedade-veículo Oitante, para onde foi transferida a atividade bancária que o comprador não quis.

O presidente da ALBOA explicou que 25 entidades vão ser notificadas pelos lesados, nomeadamente ex-administradores do banco e seguradoras, sendo que os advogados da associação estão a “orientá-los” ao nível dos procedimentos finais.

Por outro lado, Jacinto Silva afirmou esta semana, numa audição parlamentar na Assembleia Legislativa da Madeira, que a ALBOA só aceita sentar-se à mesa das negociações com o Estado e o Santander Totta para discutir uma solução para os lesados com base na possibilidade de reaver pelo menos 75% dos montantes perdidos, embora admita a criação de escalões consoante o grau de prejuízo dos ex-clientes do Banif.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
Advogados ajudam lesados do Banif a ultimar processos judiciais e reclamações