Novo Banco

António Ramalho: “Ainda estamos no tempo da sementeira”

O Novo Banco está num processo de reconstrução e, apesar da evolução positiva que tem tido, ainda tem um longo caminho pela frente até ser rentável.

Ainda é cedo para colher frutos. O Novo Banco está num processo de reconstrução e, apesar da evolução positiva que tem tido, ainda tem um longo caminho pela frente até ser rentável. Quem o diz é o presidente executivo do banco, António Ramalho.

O pior já passou e a conclusão da venda de 75% do banco à Lone Star trouxe alívio ao gestor. Neste mês de agosto, o Novo Banco divulga as suas contas do primeiro semestre, depois de, no primeiro trimestre, António Ramalho ter apresentado lucros de 60,9 milhões de euros. O resultado positivo surgiu após um prejuízo recorde em 2017, que levou à injeção no banco de 792 milhões de euros por parte do Fundo de Resolução.

Quando percebeu que o Novo Banco iria ficar a salvo?

Sempre acreditei que o Novo Banco teria condições para se reestruturar e renascer no mercado português. Mas ganhei a certeza quando foi anunciado a negociação em exclusividade com o atual acionista de referência. A partir daí, a venda do banco passou a depender de condições que apenas a si competiam. E eu estava confiante nas capacidades do Novo Banco. O exemplo do LME (’Liability Management Exercise) voluntário que realizamos durante as férias de 2017 foi disso exemplo.

O banco conseguiu manter, no meio da tempestade, captação de depósitos e já apresenta lucros. É para continuar nos próximos trimestres?

O banco, durante este período, mereceu sempre a confiança dos seus clientes. A evolução dos depósitos é disso exemplo, mas a evolução da produção do crédito à habitação ou a quota de trade finance acima dos 22%, são também exemplo de um Novo Banco vivo e resistente

Como vê o Novo Banco nos próximos dois a três anos em termos de desenvolvimento estratégico?

O banco apresenta sinais positivos mas ainda está a reconstruir-se. Essa reconstrução vai custar tempo e dinheiro, tenho-o dito e repetido. A rentabilidade só poderá vir depois. Ainda estamos no tempo da sementeira, não no tempo das colheitas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice externo até julho agrava-se para 1633 milhões de euros

TVI

Compra da TVI pela Cofina deverá ter luz verde dos reguladores

Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Exportações de calçado crescem 45% para a China e 17% para os EUA

Outros conteúdos GMG
António Ramalho: “Ainda estamos no tempo da sementeira”