banca

António Ramalho: “Todos os bancos vão seguramente ajudar”

António Ramalho, CEO do Novo Banco. Fotografia: Filipa Bernardo/Global Imagens
António Ramalho, CEO do Novo Banco. Fotografia: Filipa Bernardo/Global Imagens

Adiantou que o Novo Banco já está a aplicar moratória em créditos de clientes.

António Ramalho, presidente executivo do Novo Banco, afirmou esta quarta-feira que “todos os bancos vão seguramente ajudar” as famílias e as empresas portuguesas afetadas pelos impactos da epidemia do coronavírus.

Adiantou que o Novo Banco já está a aplicar moratória em créditos de clientes. Disse ainda, no programa ‘Negócios da Semana‘, na SIC Notícias, que espera que, até ao final desta semana, o Governo anuncie o diploma legal que vai reger a suspensão temporária de pagamento de prestações de empréstimos.

A moratória em créditos, nomeadamente na prestação da casa, é uma das medidas que também foi adotada por países como Espanha e Itália, para amortecer o efeito de choque nos rendimentos das famílias e nas receitas das empresas que a epidemia do coronavírus está a ter.

O Banco Central Europeu (BCE) e a Autoridade Bancária Europeia já deram o ‘Ok’ para que a medida avance.

António Ramalho sublinhou que o nível de financiamento que a economia portuguesa vai precisar será “muito mais elevado do que aquele que está à disposição”.

O banqueiro antevê um período de três meses em que o país estará condicionado pela epidemia, prevendo que, após esse prazo, se inicie uma recuperação da economia que terá velocidades diferentes, “se setor para setor”, com alguns setores a serem mais rápidos e outros menos, como o do turismo.

Sinalizou que deve haver vigilância para que “não haja desvio nos riscos da dívida pública portuguesa”, que é um dos “principais desafios que se coloca a Portugal” porque, a acontecer “pode vir a contagiar toda a economia portuguesa.

Apontou que o diferencial da dívida soberana portuguesa a 10 anos face à alemã aumentou de 0,70 pontos base em dezembro para 1,38 pontos base atualmente, apesar de um anúncio de reforço de compra de ativos por parte do BCE.

O CEO do Novo Banco defendeu a emissão de ‘Coronabonds‘ que, para já, não têm merecido apoio unânime na União Europeia.

Atualizada às 00H15 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, momentos antes de falar aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, 3 de setembro de 2020. MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Défice público chega a 6,1 mil milhões em agosto, mas suaviza face a julho

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Sinistros automóveis sem seguro custaram 4,7 milhões

Bosch testes rápidos

DGS aprova testes rápidos à covid da Bosch. Primeiro evento é a Volta a Portugal

António Ramalho: “Todos os bancos vão seguramente ajudar”