APB

APB afirma que divulgação dos maiores devedores à banca viola sigilo bancário

Faria de Oliveira Foto:  Vítor Rios/Global Imagens
Faria de Oliveira Foto: Vítor Rios/Global Imagens

Faria de Oliveira, presidente da APB, manifestou-se hoje contra a divulgação dos nomes dos maiores devedores em incumprimento dos bancos.

“O segredo bancário constitui um dos pilares do crédito e garante de uma economia saudável, merecendo ampla tutela constitucional” fundamentada nos interesse privados dos clientes, da instituição bancária e dos interesses públicos, defendeu Faria de Oliveira numa audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

O presidente da APB esteve a ser ouvido no âmbito dos projetos de lei dos vários partidos políticos, aprovados na generalidade, que preveem a divulgação dos maiores devedores em incumprimento dos bancos que beneficiaram de ajudas públicas que, para Faria de Oliveira constituem “um marco disruptivo na longa história do segredo bancário”.

Para o porta voz dos bancos, os projetos de lei que estão agora a ser discutidos na especialidade “não tomam em devida conta a proteção constitucional do segredo bancário” nem têm em conta compromissos internacionais assumidos pelo Estado, violando normas europeias.

Além disso, sublinhou, a divulgação pública dos nomes dos incumpridores poderá colocar em causa a relação de confiança entre o banco e os clientes, defendendo que “transparência não implica ausência de confidencialidade”.

“Entender transparência como não confidencialidade implica destruir a essência da relação bancária, ou seja, a confiança que uma qualquer instituição de crédito deve oferecer a um cliente”, sublinhou o presidente da associação.

O presidente da APB lembrou que também o Banco de Portugal defende que a divulgação dos devedores incumpridores poderá ser “ineficaz” ao não garantir a recuperação da dívida e poderá levar os clientes a “reduzir as relações comerciais” com os bancos.

Sobre os projetos em concreto que visam permitir à Autoridade Tributária conhecer as aplicações e contas bancárias acima de um determinado valor, Faria de Oliveira considerou que a medida, “numa economia como a portuguesa”, poderá “favorecer, não o combate à fraude e evasão fiscais, mas até o seu crescimento por via do aumento da realização de operações de cash”.

A solução, segundo a APB, introduz “medidas intrusivas dos direitos fundamentais dos clientes bancários que não cumprem os requisitos de proporcionalidade constitucionalmente definidos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
APB afirma que divulgação dos maiores devedores à banca viola sigilo bancário