APB

APB afirma que divulgação dos maiores devedores à banca viola sigilo bancário

Faria de Oliveira Foto:  Vítor Rios/Global Imagens
Faria de Oliveira Foto: Vítor Rios/Global Imagens

Faria de Oliveira, presidente da APB, manifestou-se hoje contra a divulgação dos nomes dos maiores devedores em incumprimento dos bancos.

“O segredo bancário constitui um dos pilares do crédito e garante de uma economia saudável, merecendo ampla tutela constitucional” fundamentada nos interesse privados dos clientes, da instituição bancária e dos interesses públicos, defendeu Faria de Oliveira numa audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

O presidente da APB esteve a ser ouvido no âmbito dos projetos de lei dos vários partidos políticos, aprovados na generalidade, que preveem a divulgação dos maiores devedores em incumprimento dos bancos que beneficiaram de ajudas públicas que, para Faria de Oliveira constituem “um marco disruptivo na longa história do segredo bancário”.

Para o porta voz dos bancos, os projetos de lei que estão agora a ser discutidos na especialidade “não tomam em devida conta a proteção constitucional do segredo bancário” nem têm em conta compromissos internacionais assumidos pelo Estado, violando normas europeias.

Além disso, sublinhou, a divulgação pública dos nomes dos incumpridores poderá colocar em causa a relação de confiança entre o banco e os clientes, defendendo que “transparência não implica ausência de confidencialidade”.

“Entender transparência como não confidencialidade implica destruir a essência da relação bancária, ou seja, a confiança que uma qualquer instituição de crédito deve oferecer a um cliente”, sublinhou o presidente da associação.

O presidente da APB lembrou que também o Banco de Portugal defende que a divulgação dos devedores incumpridores poderá ser “ineficaz” ao não garantir a recuperação da dívida e poderá levar os clientes a “reduzir as relações comerciais” com os bancos.

Sobre os projetos em concreto que visam permitir à Autoridade Tributária conhecer as aplicações e contas bancárias acima de um determinado valor, Faria de Oliveira considerou que a medida, “numa economia como a portuguesa”, poderá “favorecer, não o combate à fraude e evasão fiscais, mas até o seu crescimento por via do aumento da realização de operações de cash”.

A solução, segundo a APB, introduz “medidas intrusivas dos direitos fundamentais dos clientes bancários que não cumprem os requisitos de proporcionalidade constitucionalmente definidos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal

BES: Processos contra Banco de Portugal caem para metade

O primeiro-ministro, António Costa, gesticula durante o debate quinzenal na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de março de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

António Costa: “Portugal vai continuar a crescer acima da média europeia”

Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/ LUSA

Rendas na energia: João Matos Fernandes encontrou “ambiente crispado”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
APB afirma que divulgação dos maiores devedores à banca viola sigilo bancário