seguros e fundos de pensões

ASF integra financiamento sustentável na sua ação de supervisão

Margarida Corrêa de Aguiar, presidente da ASF. (Gerardo Santos / Global Imagens)
Margarida Corrêa de Aguiar, presidente da ASF. (Gerardo Santos / Global Imagens)

“O setor segurador e dos fundos de pensões pode desempenhar um papel fundamental na esfera da sustentabilidade financeira", disse a presidente da ASF.

A ASF-Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de pensões pretende integrar o financiamento sustentável na sua ação de supervisão.

“A ASF pretende prosseguir iniciativas para a identificação do quadro de envolvimento consciente e sustentado do setor que supervisiona, prosseguindo, em paralelo, à integração desta temática na sua ação de supervisão”, afirmou Margarida Corrêa de Aguiar, presidente do supervisor, citada num comunicado divulgado esta sexta-feira.

“O setor segurador e dos fundos de pensões pode desempenhar um papel fundamental na esfera da sustentabilidade financeira, reforçando o importante papel que já assume na economia e sociedade, nomeadamente através da disponibilização de coberturas face a eventos climáticos e catastróficos, de proteção das pessoas e das empresas face a desenvolvimentos adversos, ou de produtos de poupança para a reforma”, adiantou.

O regulador dos seguros é uma das entidades que participou no ‘Grupo de Reflexão para a promoção do Financiamento Sustentável e Descarbonização’ que elaborou o relatório ‘Linhas de orientação para acelerar o financiamento sustentável em Portugal’.

O relatório vai ser divulgado na próxima segunda-feira na conferência ‘Roteiro Nacional para a Neutralidade Carbónica 2050 – O papel do financiamento sustentável’.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

ASF integra financiamento sustentável na sua ação de supervisão