banca

Banca europeia perde milhões em Bolsa. Espera-se nova onda de fusões

(DR)
(DR)

Em Portugal, o BCP perdeu, só no último mês, quase um terço do seu valor em Bolsa. Um cenário que se repete por toda a Europa.

Uma década depois da crise financeira que abalou o mundo, os bancos europeus estão de novo sob pressão. Num espaço de um mês perderam, no conjunto, mais de 137 mil milhões de euros do seu valor em Bolsa. É uma quebra de 13%. O stress pode levar a uma maior consolidação. Leia-se fusões e aquisições.

O BCP, o único banco português cotado, perdeu quase um terço (-28%) do seu valor em Bolsa entre meados de julho e a passada sexta-feira, fazendo evaporar 1200 milhões de euros da sua capitalização, segundo dados da Euronext. E em Espanha as coisas não estão melhores. O Caixabank, dono do BPI, vale menos 2900 milhões de euros do que há um mês (-19%). O Santander perdeu 9941 milhões de euros (-13%).

“A banca encontra-se numa fase turbulenta” a nível internacional, face ao abrandamento global da economia, alerta Carla Santos, analista da corretora XTB. Isto poderá levar a uma maior concentração bancária, “com os bancos mais poderosos a tornarem-se mais poderosos”, defende, em declarações à Lusa.

O Santander é um dos bancos europeus que mais tem aproveitado a crise para crescer via aquisições. O Santander Totta, o braço português, comprou a atividade bancária do Banif em 2015, no âmbito da resolução do grupo madeirense. Em 2018 comprou o Banco Popular, integrando também a atividade daquele banco em Portugal. E o gigante alemão Deutsche Bank, que está em dificuldades financeiras, chegou a ter negociações para uma fusão com o Commerzbank, mas a operação não chegou a avançar.

Para já, os anúncios de cortes de custos sucedem-se. Os bancos a nível mundial já anunciaram o corte de 50 000 postos de trabalho desde o início de 2019, segundo a Bloomberg. Os bancos europeus lideram, com 43 400 rescisões. Em Portugal, o ritmo de saídas tem vindo a abrandar. Ainda assim, no último ano fecharam 210 balcões e saíram quase 1000 trabalhadores das folhas de pagamento da banca.

Revisão de planos

Os bancos em Portugal admitiram já que podem ter de rever os objetivos e planos traçados para este ano e os próximos. No primeiro semestre deste ano, os lucros dos cinco maiores bancos em Portugal caíram 300 milhões de euros, sobretudo devido à descida do lucro do BPI e ao agravamento do prejuízo do Novo Banco.

O BCP registou um aumento dos lucros, mas Miguel Maya , presidente-executivo do banco, destacou “o contexto bastante mais desafiante” que o banco enfrenta.

São vários os desafios para os bancos, sobretudo os europeus. O ambiente de baixas taxas de juro coloca pressão sobre as receitas, porque implica um custo sobre as reservas e aperta a margem de lucro no crédito. Além disso, as perspetivas económicas são bastante pessimistas, com os investidores a antecipar já um cenário de recessão.

A somar a estes fatores, há a concorrência crescente dos rivais digitais dos bancos. “Tendo em conta a intensificação da digitalização e as alterações nos serviços bancários, muito devido à atividade das fintech [empresas financeiras tecnológicas], a necessidade de racionalizar custos e ganhar escala deverá levar a mais operações de concentração”, prevê também Filipe Garcia, economista da Informação de Mercados Financeiros à Lusa.

Em setembro é esperado um novo corte de taxas de juro por parte do Banco Central Europeu (BCE),no âmbito de um robusto pacote de medidas para dar novo impulso à economia. A taxa de juro de depósitos está negativa, em -0,4%. Uma pressão acrescida para os lucros dos bancos, mas que traz também vantagens – ajuda a valorizar as carteiras de ativos, incluindo de dívida pública e o financiamento barato impulsiona a procura por crédito e ajuda a a escoar o crédito malparado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Banca europeia perde milhões em Bolsa. Espera-se nova onda de fusões