Serviços bancários

Banca pode eliminar mais 700 caixas multibanco

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Fecho de balcões e conversão de clientes ao digital dita redução de caixas multibanco.

O número de caixas multibanco desceu pela primeira vez a nível mundial em 2018. Mas em Portugal já se assiste a essa redução desde 2010. Foram eliminados 3600 equipamentos desde essa data. E a tendência vai manter-se. Deverão desaparecer mais 700 caixas multibanco até 2024, segundo estimativas da consultora britânica RBR disponibilizadas ao Dinheiro Vivo.

No ano passado, o número de caixas multibanco caiu a nível global “devido ao impacto do fecho de balcões e do aumento da popularidade dos pagamentos através de canais mobile”, refere a consultora especializada em serviços bancários.

Em Portugal, a explicação para a redução da rede multibanco tem que ver com o encerramento de balcões. Em apenas cinco anos, os maiores bancos do país cortaram 1145 agências, uma redução de 20%, segundo cálculos do Dinheiro Vivo.

multibancos

Um estudo do Centro de Estudos Políticos Europeus (CEPS, na sigla em inglês) sobre as perspetivas para o mercado de caixas automáticos apontava o elevado encerramento de balcões dos bancos como o principal motivo para a diminuição da rede multibanco em Portugal.

Os cortes nos balcões forçaram também os bancos a instalar mais caixas automáticos fora das suas próprias instalações, o que lhes tira rentabilidade. Nos multibancos remotos, os bancos faturam em média 20,3 mil euros com cada máquina e assumem uma despesa de 21,5 mil euros, segundo contas do CEPS. Os equipamentos nos seus próprios balcões dão lucro.

Conversão ao digital

Além do encerramento de agências, a conversão de clientes aos meios digitais também contribui para a redução de caixas multibanco. E essa tem sido a estratégia dos bancos. Querem incentivar os seus clientes a utilizar os meios digitais nas suas operações bancárias. Também o Banco de Portugal tem defendido que se privilegie instrumentos de pagamento mais eficientes, como os débitos diretos e as transferências imediatas.

Apesar desses esforços, o CEPS nota que “em Portugal ainda se depende de forma significativa do numerário e não se está a alterar de forma rápida a tendência para outros métodos de pagamento”. Assim, à medida que se recorra mais aos serviços bancários digitais, o mais provável é que as instituições financeiras possam continuar a reduzir a presença física, seja através de balcões ou de caixas automáticos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à comunicação social após a sessão de apresentação sobre a “Situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal”, no Infarmed, em Lisboa, 14 de maio de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Plano de estabilização não é milagre, é almofada

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Banca pode eliminar mais 700 caixas multibanco