Resultados

Banco Best fecha trimestre com lucro de 4,4 milhões

Isabel Ferreira, presidente do Banco Best. Fotografia: Natacha Cardoso
Isabel Ferreira, presidente do Banco Best. Fotografia: Natacha Cardoso

Ativos sob gestão atingiram os 2,5 mil milhões de euros e um rácio Core Tier 1 acima de 32%, "o mais alto do mercado nacional e um dos melhores da banca europeia"

O Banco Best anunciou hoje que registou, no final do terceiro trimestre, um resultado líquido acumulado de 4,4 milhões de euros, e em termos de solidez financeira um rácio Core Tier 1 acima de 32%, “o mais alto do mercado nacional e um dos melhores da banca europeia”, salienta o banco em comunicado.

Em termos de liquidez, os depósitos de clientes representam mais do dobro da carteira de crédito de clientes, sendo ainda a taxa de crédito malparado de apenas 0,8% do crédito, indicadores “ímpares no setor bancário em Portugal”.

“Temos a vantagem de apresentar uma elevada solidez financeira, com indicadores ímpares em Portugal e ao nível dos melhores bancos europeus, o que representa uma garantia de confiança para os nossos Clientes, e nos permitiu consolidar a nossa posição nomeadamente no segmento Private e Affluent”, refere Isabel Ferreira, CEO do Banco Best, em comunicado.

No documento, a responsável salienta ainda que “o facto de operarmos de acordo com o que podemos chamar o ‘modelo de futuro’ do setor bancário, com uma forte componente digital, complementada com uma relação coerente e transversal em todos os canais, incluindo o presencial, nomeadamente o Personal Advisor, e uma arquitetura aberta em termos de oferta, portanto independente, também contribui para que a nossa proposta de valor seja reconhecida”.

Com os ativos sob gestão a atingir os 2,5 mil milhões de euros, os resultados dos primeiros nove meses deste ano “expressam a boa performance em várias áreas de negócio”, nomeadamente quanto ao stock de fundos de investimento estrangeiros que ultrapassou os mil milhões de euros. “Esta dinâmica sublinha o caráter independente da oferta e a procura por parte dos Clientes de ativos não correlacionados com o risco nacional para diversificação das suas carteiras de investimento”, salienta o banco.

“De salientar ainda a evolução positiva na atividade grossista (B2B), em que o Banco Best presta serviços de outsourcing globais para Clientes institucionais, designadamente internacionais, nos quais se inclui um dos 100 maiores bancos do mundo. A confiança na capacidade tecnológica e na eficácia dos serviços prestados pelo Best foi mais uma vez reiterada, verificando-se um reforço da atividade nesta área”, conclui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Banco Best fecha trimestre com lucro de 4,4 milhões