Banca de investimento

Banco de Investimento do Banif muda de nome para Bison Bank

(Leonardo Negrão / Global Imagens)
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

A Oitante anunciou em julho a conclusão da venda do Banif-Banco de Investimento à chinesa Bison Capital.

O Banif-Banco de Investimento, que foi adquirido pela chinesa Bison Capital, passa, a partir desta segunda-feira, a adotar a marca Bison Bank.

Num comunicado divulgado hoje, a Bison Capital destaca que o core da atividade do banco passará essencialmente pelas áreas de negócio de wealth management (gestão de património), gestão de ativos e banca de investimento.

Frisa que “é com base na ligação privilegiada ao mercado asiático que o Bison Bank irá distinguir-se das restantes entidades financeiras no nosso país”. Lembra que “Portugal se posiciona como o segundo país europeu que mais investimento chinês recebe, quando ponderado pela sua dimensão económica”.

“Os nossos objetivos passam por criar uma ligação intercontinental sólida entre os continentes asiático e europeu apoiando um fluxo constante de ligações que aproximam os mercados de investidores em todo o mundo”, afirma Lijun Yang, presidente não executiva do Bison Bank, citado no comunicado.

“Com esta aquisição e o lançamento do Bison Bank, iremos apoiar clientes asiáticos interessados em investir e expandir a atividade internacionalmente, bem como a investidores internacionais interessados na China”, adianta.

O Banif-Banco de Investimento estava sob a alçada da Oitante, uma sociedade constituída em dezembro de 2015 para gerir e alienar ativos do ex-Banif, que foi alvo de resolução e cuja atividade bancária acabou por ser comprada pelo Santander Totta.

Em abril de 2016, a

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Banco de Investimento do Banif muda de nome para Bison Bank