banca

Banco de Portugal: Não há razões para preocupação nos serviços bancários

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal. (Ângelo Lucasl / Global Imagens )
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal. (Ângelo Lucasl / Global Imagens )

O supervisor está a adoptar todas as medidas para garantir o bom funcionamento das infraestruturas de pagamentos e admite mais medidas, se necessário.

O Banco de Portugal anunciou esta segunda-feira que “não tem relato de problemas relacionados com dificuldades no atendimento físico de clientes” bancários e que “não há, assim, quaisquer razões para preocupação relativamente à disponibilização de serviços bancários”.

“Os clientes bancários continuam a ter total acesso ao dinheiro disponível nas suas contas, quer através da rede de caixas automáticas, quer realizando as operações de pagamento via canais digitais, quer ainda, se necessário, aos balcões. No interesse dos clientes e do público em geral, o Banco de Portugal apela a todos que restrinjam a ida aos balcões ao estritamente indispensável”, adianta em comunicado.

Lembra que, “salvo em situações muito excecionais, as agências continuam a atender clientes, ainda que, em alguns casos, limitando o número de presenças dentro dos balcões”.

Frisa que “o Banco de Portugal está a adotar todas as medidas necessárias para assegurar o bom funcionamento das infraestruturas de pagamentos, em estreita articulação com os bancos e com a SIBS”.

O supervisor recorda que os clientes bancários continuam a “ter ao seu dispor soluções de abertura de conta por videoconferência, pelo que, os cidadãos que necessitem podem abrir uma conta bancária através de canais digitais”.

Lembra que os clientes podem usar para o efeito documentos de identificação com validade expirada, nos termos da legislação recentemente aprovada pelo Governo.

De acordo com a medida aprovada no Conselho de Ministros de 12 de março último, prevê-se a “aceitação, por parte das autoridades públicas, e para todos os efeitos legais, da exibição de documentos cujo prazo de validade expire durante o período de vigência da presente legislação ou nos 15 dias imediatamente anteriores ou posteriores”, diz.

Atualizada às 16H36 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Banco de Portugal: Não há razões para preocupação nos serviços bancários