Itália

Banco Monte dei Paschi di Siena pede ao BCE mais tempo para se capitalizar

Fotografia: Stefano Rellandini/Reuters
Fotografia: Stefano Rellandini/Reuters

Os empréstimos malparados da banca italiana atingem os 360 mil milhões de euros, cerca de um terço deste tipo de empréstimos na zona euro.

O banco mais velho do mundo, o italiano Monte dei Paschi di Siena (BMPS), pediu hoje ao Banco Central Europeu mais tempo para obter fundos que precisa para evitar o encerramento.

O BMPS anunciou que pediu uma extensão do prazo, que terminava no final de dezembro, até meados de janeiro, devido à instabilidade política criada pela demissão do primeiro-ministro, Matteo Renzi.

Esta demissão deixou alguns investidores relutantes em se comprometerem com o financiamento do banco.

O banco italiano perdeu quase 85 por cento da sua capitalização de mercado desde o começo do ano, além de ter apresentado o pior desempenho nos testes de pressão (‘stress tests’) realizados pela Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em Inglês), em julho.

Esta instituição financeira, que é o terceiro maior banco italiano, está a procurar uma injeção de capital de cinco mil milhões de euros. Os governantes estão a preparar a recapitalização, se esta operação em curso falhar, segundo várias notícias.

Em comunicado, o BMPS considerou que era “oportuno, considerando as mudanças nas circunstâncias, solicitar ao Banco Central Europeu uma extensão do limite do prazo autorizado até 20 de janeiro de 2017”.

A resignação de Renzi agravou as preocupações com a incapacidade do setor bancário italiano, que inclui nada menos do que 700 bancos, para fazer progressos significativos no sentido da consolidação.

Os empréstimos malparados da banca italiana atingem os 360 mil milhões de euros, cerca de um terço deste tipo de empréstimos na zona euro.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Banco Monte dei Paschi di Siena pede ao BCE mais tempo para se capitalizar