Banco de Portugal

Banco de Portugal instaura 106 processos de contraordenação aos bancos

Carlos Costa. Fotografia: Pedro Correia/Global Imagens
Carlos Costa. Fotografia: Pedro Correia/Global Imagens

O Banco de Portugal (BdP) instaurou 106 processos de contraordenação contra 27 entidades no decorrer dos primeiros seis meses do ano.

O Banco de Portugal (BdP) instaurou 106 processos de contraordenação contra 27 entidades no decorrer dos primeiros seis meses do ano, revelou hoje a instituição liderada por Carlos Costa.

“Os processos de contraordenação foram instaurados maioritariamente na sequência de incumprimentos detetados pela análise de reclamações de clientes bancários, tendo os restantes resultado da fiscalização desenvolvida com base no reporte mensal das TAEG [Taxa Anual Efetiva Global] dos novos contratos de crédito aos consumidores e no âmbito de ações de inspeção”, especificou o supervisor.

Segundo a sinopse das Atividades de Supervisão Comportamental do BdP, que resume a sua atuação na fiscalização dos mercados bancários de retalho na primeira metade do ano, “os processos iniciados na sequência da análise de reclamações abrangeram 122 reclamações apresentadas pelos clientes bancários”.

Paralelamente, o BdP emitiu durante este período 426 recomendações e determinações específicas dirigidas a 68 entidades.

“As recomendações e determinações específicas tiveram por base a realização de ações de inspeção (77% do total de recomendações e determinações específicas emitidas), a fiscalização da publicidade (11,5%) e a análise de reclamações (11,5%)”, assinalou o BdP, acrescentando que, “na sequência das ações de inspeção desenvolvidas no primeiro semestre, as recomendações e determinações específicas emitidas incidiram maioritariamente sobre matérias relativas a crédito aos consumidores”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Neto Leite, CEO da Groundforce.

Groundforce aposta na Portela e contrata mais 260 pessoas em 2019

Lisboa, 17/05/2016 - Conferência de Banca - O Presente e o Futuro do Setor Bancário, no Hotel Ritz em Lisboa.
Carlos Costa, Marcelo Rebelo de Sousa, Faria de Oliveira
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Marcelo sobre o caso CGD: “Há de chegar às minhas mãos”

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

ViaCTT. Fisco devolve coimas a mais de 8 mil contribuintes esta semana

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Banco de Portugal instaura 106 processos de contraordenação aos bancos