banca

Bancos cada vez mais vulneráveis a ciberataques com digitalização

(DR)
(DR)

Segundo a Moody's, melhorar os sistemas digitais, assim como o escrutínio da regulação nesta área, ajudará a minorar o risco de ciberataques.

A crescente digitalização do sistema bancário aumenta os riscos de ataques à segurança informática, o que acontece sobretudo em bancos mais pequenos e em economias em desenvolvimento, segundo um relatório hoje divulgado pela Moody’s.

De acordo com a agência de notação financeira, cada vez mais os bancos estão vulneráveis a ciberataques, o que pode levar a elevadas perdas financeiras, nos casos de roubos e fraudes, mas também a graves danos na sua reputação.

Os bancos mais vulneráveis são os que estão em mercados em desenvolvimento e os mais pequenos por terem menos recursos para se defenderem desses ataques digitais.

Segundo a Moody’s, melhorar os sistemas digitais, assim como o escrutínio da regulação nesta área, ajudará a minorar o risco de ciberataques.

Neste relatório, a Moody’s considera que o exemplo mais flagrante é o do ataque ao banco central do Bangladesh, em fevereiro de 2016, quando os ‘piratas informáticos’ usaram as credenciais de empregados do banco para os ataques e causaram perdas de 66 milhões de dólares (cerca de 59 milhões de euros à taxa de câmbio atual).

Tem havido também ataques a bancos em economias desenvolvidas, como o caso do britânico Lloyds Banking Group, que em janeiro de 2017 esteve dois dias sem os clientes acederem a contas e métodos de pagamento, mas neste caso sem terem entrado nas contas e sem causar perdas financeiras.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Bancos cada vez mais vulneráveis a ciberataques com digitalização