banca

Bancos faturam mais 90 milhões em comissões

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Os bancos tiveram receitas de mais de 1,6 mil milhões de euros em comissões até setembro. Deco pede o fim de alguns custos que considera ilegítimos

Os bancos faturaram mais 90 milhões de euros em comissões nos primeiros nove meses do ano do que no mesmo período do ano passado. No total, BCP, CGD, Santander Totta, Novo Banco, BPI e Montepio conseguiram comissões líquidas de 1,62 mil milhões de euros até setembro, uma subida de 5,7% em relação a 2016. Em alguns casos, estas receitas dos bancos têm sido o resultado de revisões de preçários, uma forma destas entidades compensarem a perda de rendimento na concessão de crédito devido às baixas taxas de juro.

O Montepio teve a maior subida das comissões líquidas. Aumentaram 19,3% para 83,9 milhões de euros. O banco liderado por Félix Morgado explicou essa evolução, no comunicado dos resultados trimestrais, com “o impacto favorável da adequação do preçário à proposta de valor do grupo e da maior dinâmica de negócio”. O Novo Banco mostrou um acréscimo de 12% nas comissões líquidas. Recebeu mais 231,1 milhões de euros em comissões do que as que pagou. A entidade liderada por António Ramalho justificou a subida com os menores custos nas comissões de emissões de dívida com garantia do Estado. O BPI também agravou os preços de algumas comissões após o CaixaBank ter assumido os destinos do banco. Nos primeiros nove meses do ano, as comissões líquidas subiram 9,1% para 216 milhões de euros.

O BCP gerou 494,6 milhões de euros em comissões líquidas em termos consolidados, que engloba a atividade em Portugal e também as operações internacionais. Em Portugal, o banco reportou uma descida de 1,6% das comissões para 337,7 milhões de euros. O presidente executivo do banco tem garantido que as comissões cobradas em Portugal continuarão estáveis, não havendo margem para mais subidas.

A Caixa Geral de Depósitos reportou um aumento de 1,8% das comissões para 342 milhões de euros, em termos consolidados. O valor ainda não reflete totalmente o agravamento das comissões que entrou em vigor em setembro. Essas subidas fazem parte da estratégia do banco público para regressar à rentabilidade. O presidente da CGD, Paulo Macedo, tinha defendido antes desses agravamentos que o banco público tinha das comissões mais baixas do mercado. No mercado doméstico, o banco público teve rendimentos de 265,9 milhões de euros em comissões, mais 6,1% que no período homólogo.

O Santander Totta obteve 248,9 milhões de euros em comissões, um acréscimo de 4,7%, explicado, no relatório trimestral do banco liderado por António Vieira Monteiro pela “maior vinculação e transacionalidade dos clientes”.

Deco pede fim da comissão de manutenção de conta
Tito Rodrigues, responsável pelas relações institucionais da Deco Proteste, observa ao DN/Dinheiro Vivo que tem havido um aumento consistente das comissões cobradas pelos bancos. E exemplifica com os custos de manutenção de contas que, diz, subiram 45% em dez anos. Tito Rodrigues revela apreensão por ainda não existirem sinais da estagnação das comissões, já que há uma maior abertura de crédito por parte dos bancos, o que poderá ajudar a margem financeira destas entidades. A Deco Proteste tem em curso uma petição, que conta já com mais de dez mil assinaturas, para exigir à Assembleia da República que clarifique se a cobrança de comissões de manutenção de contas e de processamento de prestações são permitidas pela lei.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Bancos faturam mais 90 milhões em comissões